X

mercado financeiro

Investimentos, Outros assuntos, Tecnologia
Bitcoin: futuro da economia ou moda passageira?
1 de junho de 2017 at 10:25 0
f

O Bitcoin está na moda.

Depois do Japão anunciar mudança no regulamento para aceitar oficialmente o bitcoin (BTC) como método de pagamento, a moeda atingiu preços que deixaram surpresos até mesmo os investidores mais entusiasmados. A criptomoeda é apenas mais uma das várias que existem e foi apresentada pela primeira vez em 2008 como um sistema de código aberto, baseada em uma rede peer-to-peer, autorregulada e criada para ser livre, sem interferência de governos e outros agentes bancários.

Dentre as principais maneiras de se conseguir os bitcoins está a mineração, processo de validação das transações pela resolução de problemas criptográficos, gerando blocos que são posteriormente inseridos na blockchain - banco de dados que armazena as informações de saldo e as transações efetuadas utilizando a moeda digital. Essa é a primeira vez que se tem conhecimento que os dados contábeis de transações monetárias são públicos e descentralizados.

Um dos grandes problemas que o mercado vê em moedas digitais é que elas não tem lastro. As moedas dos países possuem o lastro em dólar, que por sua vez é lastreado em ouro. Com o BTC o lastro é a confiança que o sistema seja autossustentável e isso o torna bastante volátil para se investir. Atualmente o preço está em alta e já ultrapassa os US$ 2.700, ambiente perfeito para a criação de uma bolha.

Até há poucas semanas a moeda não possuía nenhum valor inerente, sendo utilizado basicamente em trocas na internet, muitas delas em mercados ilegais de tráfico, drogas e outros crimes. O reconhecimento formal do Japão de que a moeda é um meio de pagamento válido no país fez com que o valor de mercado do Bitcoin aumentasse cerca de US$ 1 bi, e parte disso é porque os japoneses, e por consequência o restante do mundo, passam a reconhecer seu valor fora das telas do computador.

A Ásia tem sido protagonista na transição do BTC para uma moeda “real”. Além do Japão, a Coréia do Sul também admite que as criptomoedas vieram para ficar, tanto que o Bank of Korea (BOK) divulgou recentemente um documento em que diz acreditar em um sistema que moedas fiduciárias e digitais possam coexistir, e ainda expandiu o modelo para um regime triplo, em que moedas digitais também possam ser emitidas por bancos centrais e não apenas por particulares.

Acredito, entretanto, que a China tem o papel de destaque neste cenário. O país foi capaz de criar toda uma cadeia produtiva dentro deste mercado, que vai desde o maior pool de mineradores – responsáveis por quase metade de todos os BTC emitidos diariamente no mundo – à produção de equipamentos específicos para a realização dessa tarefa. A movimentação alertou o governo para a quantidade de dinheiro envolvido e agora as três maiores bolsas de bitcoin da China vão cobrar 0,2% de cada operação.

É certo que a preponderância asiática no mercado de BTC pode afetar uma de suas características principais, que é a descentralização. Alemanha, Rússia e Estados Unidos já o reconhecem como moeda digital e estudam medidas para regulamentar sua utilização, porém ainda tem um longo caminho a trilhar.

A grande pergunta é se os ideais revolucionários de autonomia, independência e descentralização sobrevivem após o último bitcoin ter sido minerado.

Leia mais
Finanças, Investimentos
Índice de confiança é o fator da virada
4 de agosto de 2016 at 17:43 0

03_08_SS

Como temos visto cotidianamente e ao nosso redor, já é possível constatar a melhora de humor do mercado financeiro, apesar da contínua piora de alguns indicadores, como o próprio desemprego, além do déficit das contas públicas e da queda brutal da arrecadação. O índice de confiança primeiramente aflora em alguns segmentos, geralmente nos que indicam o fundo do poço da crise econômica e consequentemente dão o sinal da possível virada econômica.

O gráfico a seguir, publicado pelo Valor, mostra o quanto nosso índice de confiança caiu, ultrapassando 2008, quando tivemos uma crise mundial sem precedentes.

20160803_SS_IndiceDeConfiança_Grafico

O índice de confiança, nos dias de hoje, é mais representativo e significativo economicamente uma vez que faz a leitura potencial do grau de avaliação no consumo e nos investimentos. A confiança representa para o trabalhador assalariado e prestadores de serviços com baixa ou média renda o "stop and go" para o consumo em geral. Já para os empreendedores, representa a decisão de investir ou não no mercado de capitais, principalmente nos negócios.

Depois que o lastro da moeda foi extinto, o que dá sustentação é a credibilidade que vem casada com a confiança nos agentes econômicos e governos. Por isso a Zona do Euro, por exemplo, tem regras rígidas para que demonstrem um mínimo de credibilidade fiscal, como manter os principais indicadores, déficits e orçamento fiscal em níveis adequados.

No Brasil podemos dizer que a virada do índice de confiança vem, sem dúvida, acoplado a uma solução política minimamente confiável. O governo da Presidenta Dilma carecia muito de credibilidade e de processos de gestão, principalmente diante da preferência por ocupar os quadros de primeiro e segundo escalão com base na fidelidade partidária ao PT, em detrimento do mérito, competência e experiência. Pudemos ver, em primeira mão, onde esse critério de escolha nos levou. Sem dúvida o Presidente interino Michel Temer sabe que a única forma de conquistar a confiança da população é demonstrando uma gestão eficiente. Para isso, colocar pessoas competentes nestes postos estratégicos demonstra claramente a direção correta - e a reversão da tendência do índice de confiança mostra isso.

 De modo geral, diria que algumas situações nos permitem observar o cenário macro com certo otimismo. Veja essas possibilidades:

 1)    A Europa vive um momento confuso e o Brexit pode trazer desdobramentos complexos. Os Estados Unidos estão passando por um emocionante período eleitoral e o resultado pode criar situações semelhantes ao Brexit. Trilhões de euros e dólares, no momento aplicados a juros negativos ou muito baixos, de zero a 1%, de alguma forma tendem a procurar high yeld e acredito que algum fluxo de capital virá para os países emergentes, inclusive o Brasil. Caso o impeachment de Dilma se confirme no Senado, a expectativa é que o nosso país seja um forte candidato a receber uma boa parte deste capital.

 2)    O aumento do índice de confiança deve gerar melhoria no consumo e demanda por serviços. Principalmente no varejo, o impacto dos juros não é tão significativo nos crediários - que tradicionalmente já têm taxas muito altas, mas a confiança gera coragem no consumidor que está empregado e/ou detinha alguma poupança (mesmo estes não conseguiam ver nenhuma luz no fim do túnel).

 3)    Diferentemente do varejo, onde poderemos sentir uma melhora considerável e com relativa rapidez, o setor imobiliário poderá ser o último a voltar a crescer com força. O segmento de imóveis é diretamente ligado às taxas de juros oficiais, que só deverão cair aos razoáveis patamares dos 10% no final de 2017. Por outro lado o setor sempre atrai capital de investimentos asset para adquirir ativos ainda depreciados. Como o estoque está bastante grande, as incorporadoras poderão ter uma possível folga de liquidez na venda desses ativos.

Confiança é e será um ativo de grande valia para o novo governo, entretanto essa confiança não durará para sempre se não houver real percepção de mudança. É preciso que aconteçam demonstrações efetivas de reformas fiscal-orçamentárias tanto no Congresso como no Executivo, tão logo passe a votação do impeachment e se confirme o novo presidente do Brasil. Seguimos observando com esperanças.

Leia mais
Bolsa, Câmbio, Finanças, Investimentos, Política
Day after econômico
12 de abril de 2016 at 14:37 0
impeachment

Cada dia que passa os cenários ficam mais confusos, pelas apostas em ambiente político e econômico. O desemprego aumentando a passos largos, inadimplência da cadeia organizada de fornecedores e dívidas bancárias, assim como a inadimplência em todos segmentos estão se acentuando com o passar dos dias. Desta forma, onde iremos ancorar as nossas expectativas de uma solução econômica que está a reboque da solução política sobre quem governa o país? Cada vez mais se acumula um grau maior de incerteza causada pela falta de ação governamental, o que está temporariamente paralisado pela disputa de poder.

Para o mercado em geral, a esta altura não interessa a questão da discussão sobre o contexto Jurídico e sim o que pode vir a impactar a vida de modo geral, pois alguns consensos já estão formados em relação ao que precisa mudar para que a economia volte a sinalizar confiança e que possamos voltar a rodar com perspectiva futura e os investimentos voltem a se normalizar.

A única certeza que temos é que para qualquer projeto econômico que dê perspectiva econômica para o país mudar sua rota de colisão, teremos de passar por reformas estruturais no Congresso, como a questão da previdência e até cortes nos benefícios sociais, além de outras que estão travadas. Essas medidas têm custo político de implementação pela impopularidade.

O embate do governo se cristalizou neste momento entre Dilma e Temer, juntamente com ala do PMDB que saiu da base aliada. O seu programa econômico batizado Plano Brasil, sem dúvida não apresenta grandes novidades, mas é um plano bem coerente e cola mais com o mercado embora também precise de apoio político, pois só será factível com medidas de aprovação junto ao Congresso. E é neste fato que o mercado enxerga maior probabilidade de reorganização econômica, dada a maior capacidade do partido em trazer o PSDB para apoiar o projeto junto ao Congresso.

A expectativa política e econômica, principalmente câmbio e bolsa estarão ancoradas nas votações da Câmara sobre o impeachment em todos os estágios, primeiro sobre a aprovação do encaminhamento do voto do relator que ontem foi aprovado, tendo agora o embate final no domingo próximo pelo Congresso. Mas acredito que o mercado já precificou grande parte do rito do impeachment dentro da velha máxima de mercado, que é: "sobe no boato e cai no fato".

Em um cenário onde o atual governo vença a disputa no Congresso, sem dúvida o novo governo Dilma deverá tentar reorganizar as suas bases políticas com partidos de menor expressão, como PCdoB, PSOL, PP e outros partidos menores de um governo mais à esquerda, além dos movimentos sociais como CUT, MST e outros que ganharão peso e tenderão a exigir um plano econômico que atenda ainda mais as demandas sociais deles em seu governo. Eles se fortalecerão e cobrarão a conta da salvação do seu governo. Sem dúvida será uma grande dor de cabeça para o novo governo Dilma/Lula.

Lula tem dito que a prioridade será novamente o emprego e crescimento e é deste discurso dissonante da realidade fiscal que o mercado não gosta, apesar de saber que normalmente o discurso de rua é repactuado com a realidade econômica. E Lula sabe bem como a economia funciona e também sabe que precisará acalmar os mercados novamente, como foi o caso quando se elegeu pela primeira vez. Assim, possivelmente tentará a mesma fórmula que deu certo em outros tempos e apresentará o nome de um Ministro da Economia que gere uma expectativa positiva, tentando induzir o mercado e a economia a superar este momento de crise aguda econômica.

Sem dúvida a tarefa do atual governo em caso de vitória será mais árdua do que a do Vice-presidente, pois o cacife de credibilidade está muito pequeno para dar a volta por cima de todos os problemas que não são apenas políticos, como os outros escândalos que vêm assolando o partido do PT.

Assim, para contextualizar os dois cenários: o atual governo deverá  gerar maiores expectativas econômicas, dadas as dificuldades em recompor a sua base política, além de o próprio PT não conseguir acomodar todos interesses suprapartidários e próprios em relação à ocupação de cargos deixados pelo PMDB. Neste ponto, tanto dólar como a bolsa deverão sentir o impacto negativamente.

Já um novo governo assumido pelo Vice-presidente Temer, que será mais previsível e menos compromissado com qualquer ala, poderá gerar acordos mais "easy way" no mundo político, necessários para implementar reformas no Congresso.

Não adicionei mais pontos de imprevisibilidade de cenário alternativo, pelas variáveis como a Lava Jato e o TSE. Isso nos faria perder o foco no curto prazo.

Assim, a melhor parte do "day after" é termos alguma definição de para onde o país irá se dirigir, sem desconsiderar as dificuldades e desafios de ambos os lados, o que será sinalizado nesses próximos dias de definição, pois o país não aguentará por mais tanto tempo a disputa de poder.

 
Leia mais
Política
O dia 13 de março e o impacto no mercado financeiro
15 de março de 2016 at 15:15 0

 13 de março

Não se pode ignorar os fatos ocorridos e o sucesso do protesto de 13 de março. Foi um movimento histórico, que pesará fortemente nas próximas decisões políticas e econômicas. A aposta do mercado no impeachment vai pesar consideravelmente no aumento da volatilidade, impulsionando ainda mais a bolsa e até a possível queda do dólar. Já as incertezas aumentam: a maior fragilidade do governo, a falta de confiança e credibilidade agora ratificados pelos resultados das manifestações de 13 de março e a reboque a saída ainda informal do PMDB da base, complicam mais ainda o quadro e fortalecem a crise política.

Não tem nada certo sobre o futuro do governo atual, pois não se pode mais prever o que virá das delações premiadas. A Lava Jato já incorporada no contexto nacional como símbolo anti-corrupção não parará por aí e será o principal protagonista no cenário nacional, influenciando as decisões políticas e econômicas.

Dentro deste contexto conturbado, o mercado tende a premiar cada movimento político que leve a uma solução de curto prazo deste impasse, precificando a bolsa para baixo e também fazendo o inverso com cada indefinição, como estamos vendo acontecer.

As ruas falaram desta vez em alto e bom som, não deixando dúvidas sobre o que queremos e não queremos. Desta vez está claro que a maioria quer. A oposição que tenta capitalizar o momento também acaba penalizada pela dúvida que deixou em se comportar como sendo apenas oposição, contando com o apoio popular e não por convicção própria. Fica a percepção de oportunismo para parte da população.

O momento para o PSDB é bom, mas deixa muitas dúvidas quanto sua capacidade agir no momento certo e, assim, vai abrindo janelas para outros personagens. Hoje arriscaria dizer que o único candidato que teria unanimidade numa eleição hipotética seria o juiz Sérgio Moro, pois foi aclamado pelos quatro cantos do país. Sensacional, não?

Normalmente não gosto de falar de política, mas está difícil não ter opinião e as ruas mostram que, do pobre ao rico, sem diferença de classe, todos foram para as manifestações, pois o pobre está sentindo na carne o problema do desemprego e a inflação. Já o rico tem a maior percepção da falta de confiança no país, que tira a capacidade de investir e acaba pensando que a solução é “ir para Miami”.

Imaginando que o governo vai reagir, até mesmo porque não tem outra opção, resta saber se ficará entrincheirado no seu, agora limitado, reduto de militantes organizados ou partirá para uma jogada mais audaciosa, como a de trazer o Lula para algum ministério. Sem dúvida que essa seria uma jogada bem arriscada, contrariamente ao que pensam os Petistas que ainda acreditam que o governo tem salvação. Principalmente agora, sem poder contar com o principal protagonista da base governista, que é o PMDB. E, definitivamente, depois de 13 de março a saída do PMDB se consolidará, a não ser que haja alguma mudança radical como uma saída negociada da presidente, através de alternância do governo via vice-presidente.

Trazer Lula para o ministério pode gerar muitas interpretações e, sem dúvida, todas serão negativas. Em que ponto isso poderá salvar o barco? Depois que o Titanic bateu no Iceberg seu comandante demorou um tempo precioso até entender que não havia mais como evitar o naufrágio. Esse tempo poderia ter salvado muito mais vidas. Parece que 13 de março é o Iceberg.

Assim, o mercado deverá surfar numa onda que não sabemos ainda aonde irá chegar pois, tecnicamente, os problemas - com ou sem impeachment - não se resolverão facilmente. Mas, sem dúvida, a confiança e a credibilidade geram condições necessárias para que a economia volte a crescer com as expectativas inflacionárias em patamares aceitáveis.

Temperatura Máxima será o próximo capítulo.

Leia mais
Finanças, Investimentos, Tecnologia
O porque do sucesso da nova “economia da tecnologia”. 
13 de janeiro de 2016 at 13:08 0

economia empresas de teconologia

Sem dúvida nenhuma nos dias de hoje já não questionamos a economia virtual. Em determinado momento em que houve o boom do nascimento destas empresas, houve um certo exagero de tudo, como por exemplo as relações de preços justos. E até após ao estouro da bolha deste segmento nas bolsas, as empresas virtuais foram se ajustando ao contexto da economia real e hoje acredito que o sonho virou realidade.

Foram grandes as transformações, empresas foram criadas em todos setores, a grande maioria pelo conceito de "uma grande ideia" e depois do passar dos anos, após a criação da Internet, foi-se percebendo que com a disseminação da informação a grande ideia passou a valer pouco.

Com o passar do tempo, a grande ideia foi de 80% a 20% da performance. Nos dias de hoje a ideia vale 20% e a execução 80%. Isto são os dias de hoje. Assim, se você tiver alguma grande ideia, tente ver todo o processo de execução antes, pois a Internet vai sempre encontrar alguém com ideias semelhantes. Hoje, com raras exceções, esse contexto é quebrado. A Google, Apple, Amazon, Uber, Facebook, Twitter, Linkedin, Instagram, WhatsApp, Waze e outros inúmeros aplicativos do mesmo segmento, por que se tornaram as maiores empresas do mundo, desbancando todas corporações tradicionais? Qual o segredo do sucesso de muitas delas? Será que foi a ideia?

A resposta é não, pois basta ver a história de cada uma para entender que quase todas essas empresas fora criadas não somente pela ideia, como no caso da Google, pois já existiam inúmeros sites de busca que foram criados na mesma época, mas a Google conseguiu se diferenciar pela forma fácil de lidar com a busca de informações. Lembram, nós tínhamos o Cadê, Yahoo, Altavista e outros. A Google encontrou a forma de consolidar a busca da informação da melhor forma já feita até os dias de hoje.

Essas empresas estão ficando tão grandes que dificilmente alguma outra do gênero terá a capacidade de investimento para competir, mas aí que entram os aplicativos, como foi o caso do Whatsapp que começou a incomodar o Facebook, que usou o seu tamanho para adquirir o Whatsapp. O Whatsapp encontrou uma forma muito eficiente de se comunicar e não foi uma nova ideia, lembrando que o BlackBerry veio na frente.

Na realidade, acho que o sucesso deles está na sua praticidade de contextualizar e facilitar a nossa vida. Antes de mais nada, eles são facilitadores de vida. Parece brincadeira, mas se analisarmos todos que deram muito certo, veremos que são sites ou aplicativos muito simples e que acabaram vindo ao encontro da demanda de uso onde quanto mais simples e fácil de usar, maior o sucesso e maior o seu valor.

Alguns hábitos da vida cotidiana estão sendo mudados pelo uso destes aplicativos. O UBER e o Waze, por exemplo, estão mudando o sistema de transporte qualificado nos grandes centros.

A regra do sucesso destas empresas é simples: tudo que facilitar a nossa vida e for de simples execução, tende a ter sucesso. Eis a nossa nova economia, a "Economia da Tecnologia", com preços competitivos e evolução dos sistemas tradicionais.

Leia mais
Finanças, Política
Levy por Meirelles: A troca de ministros vai consertar nossa economia?
12 de novembro de 2015 at 16:09 0

troca Levy por Meirelles

Quando Joaquim Levy assumiu o Ministério da Fazenda, tentou explicar à sociedade muitos pontos errados na condução do país, em uma tentativa de educar e despertar o interesse da população pela funcionalidade complexa do “economês”. O Brasil é um caso complexo para qualquer administrador, pois nossa política é uma arena onde partidos medem forças constantemente e a população paga um preço alto por isso.

Não bastasse a dificuldade cotidiana enfrentada pela equipe econômica e pelo governo, há agora um boato de que, sob pressão, a presidente Dilma deveria trocar o Ministro Joaquim Levy, que não consegue a aprovação de suas propostas para o ajuste fiscal, pelo ex-presidente do Banco Central, o Henrique Meirelles. Esse boato circulado ontem foi o responsável pela queda do dólar, pois o mercado acredita que a entrada de Meirelles pode melhorar a comunicação entre o governo e o Congresso, para que os ajustes sejam feitos. Uma parte da crise no Brasil se deve ao governo falar A, o Congresso entender B e a população querer C. Não há consenso e nem bom trânsito.

Embora neguem o que circula à boca pequena, há quem diga que Henrique Meirelles está fazendo exigências para aceitar o cargo. Segundo notícias, ele pede autonomia com “porteira fechada”, ou seja: total controle para determinar trocas importantes, como a presidência do Banco Central e o ministro do planejamento. Analisando a troca, não podemos esquecer que foi Meirelles quem aqueceu a política de incentivo ao crédito e ao consumo que levou o país à condição atual. Acredito também que não há nada que ele possa propor de muito diferente do que o Levy está propondo. A questão da possível troca deve estar se apegando, talvez, numa facilidade maior de Meirelles se comunicar e se articular no Congresso, onde sempre teve bom trânsito.

No meio da confusão econômica, há a insistência na guerrilha política, cheia de boatos e indecisões, que prejudicam as finanças do país e da população, que não pode esperar nada além do aumento de tributos para o equilíbrio das contas. Mais do mesmo.

Indo direto ao ponto, a questão da nossa crise fiscal é profunda. Não basta trocar o técnico, precisamos enxergar além disso. A Constituição de 1988 deixou uma brecha fiscal que estourou agora. Houve uma centralização das receitas na União e ela passou a repassar recursos para estados e municípios. Isso, além de tornar menos eficiente o processo arrecadatório deu enorme poder à União. À época, a capacidade de investimento era de 5% do PIB e hoje gira em torno de algo como 2,5%. Criou-se uma série de vinculações orçamentárias que engessou o poder de distribuição dos recursos. Desde 1988 todos os governos, sem exceção, aumentaram seus gastos. Hoje vemos todos os estados dependentes da União, sofrendo prejuízos e endividados.

Precisamos pedir que os nossos parlamentares revejam a Constituição, além de emergencialmente fazerem uma trégua política, pois em um campo esburacado nenhum dos times pode jogar futebol.

Leia mais
Investimentos, Juros, Política
A encruzilhada dos juros
21 de outubro de 2015 at 17:36 0

juros

A penúltima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central de 2015 é hoje e não acredito que teremos grandes surpresas, pois a agenda econômica ou da política monetária está a reboque das agendas políticas.

Acredito na manutenção dos juros, até porque a percepção de aumento da SELIC agora teria pouco ou nenhum benefício efetivo de contenção da inflação, que já beira os 10% este ano e possivelmente ficará bem longe da meta estabelecida pelo BC para 2016, que eu estimaria entre 7% a 8%.

Um aumento de juros no momento atual, em que estamos perto de 3% de PIB negativo e aumento acelerado de desemprego, faz com que o Copom fique em uma encruzilhada no que se refere ao objetivo principal do modelo de Meta de Inflação ou Target Inflation - como é mais conhecido.

O aumento de juros é feito com objetivo de ancorar as expectativas futuras da inflação, que é 5,4% pelo BC (mas o mercado já estima em 6,72%) para 2016 e 4,6% para 2017. Dentro deste cenário o BC só terá duas escolhas daqui para frente:

1)    Aumentar os juros, como manda o figurino: acho pouco provável, pois o efeito de desaquecimento da economia, que já é muito grande, só traria mais perda de arrecadação além da percepção de um rombo maior no déficit orçamentário e, com certeza, acabaria impactando em aumento de dívida/PIB trazendo questionamentos indesejáveis sobre a real capacidade de endividamento da União.

2)    Em futuro próximo, poderia aumentar a meta de inflação: 5,5% 2016 estaria num patamar mais realista, pois a banda alta poderia ir até 7%, pelo que estamos podendo enxergar hoje.

Assim, o que se pode esperar do BC em relação ao Copom é, através do relatório, dar mais discloser para o mercado de que a situação continua sendo bem administrada e sob controle, apesar dos problemas sazonais que têm induzido a alta da inflação. Como exemplo, o reajuste cambial nos preços, além dos preços administrados e, assim, com uma visão mais realista do que se pode fazer diante de um intrincado quadro político que lhe dá pouca margem de manobra.

O BC sabe que sem uma política fiscal austera ficará difícil trabalhar somente com os instrumentos clássicos: juros, câmbio e restrição de crédito.

Com tudo isso, criou-se uma expectativa dos mercados não em relação ao aumento de juros, mas sim em relação ao modelo de Target Inflation.

Leia mais
Juros, Política
Meta de inflação
6 de outubro de 2015 at 16:41 0

meta da inflação

O tema da inflação está ressurgindo nos debates econômicos. Os modelos discutidos pelas diferentes linhas de teorias econômicas, tanto a ortodoxa como heterodoxa, têm dado o tom das possíveis soluções para atual crise econômica. Qual seria o modelo ideal? Aumento de juros, controle cambial, diminuição de juros para aumentar a atividade econômica, aumento de impostos para fechar o orçamento e por aí vai.

 Nesse domingo uma economista chamada Monica Baumgarten, do Instituto Peterson de Economia Internacional, propôs voltarmos para o modelo de âncora cambial com âncora fiscal abandonando a meta de inflação, pois segundo a matéria podemos ter inflação na ordem de até 20% a.a. caso não consigamos arrumar a casa. Sem dúvida começam a aparecer as mais variadas teses econômicas e de diversas correntes, que só aparecem em função da incógnita sobre o futuro. Inicialmente vamos NÃO pensar nessa hipótese.

O modelo de target inflation, ou meta de inflação, é um modelo baseado nos instrumentos clássicos da política monetária através de juros, dívida pública e câmbio. Estes instrumentos que são utilizados pelo BC fazem o controle da demanda de consumo e são os indutores de expectativas projetadas no comportamento dos mercados, como maior ou menor liberdade de compulsórios de bancos para aumentar a base de crédito na economia, além de outras ferramentas econômicas de maior ou menor calibre, como também até mesmo o controle cambial quando se faça necessário. O nosso modelo era uma mistura dos dois: ortodoxo e o heterodoxo, sendo o BC fazendo o ortodoxo e o ministro Mantega o heterodoxo. Agora parece o modelo foi unificado com o Ministro Levy.

Realmente é difícil de imaginar que as coisas dessem certo em relação ao controle da inflação, pois não se combinam tanto na tese econômica como no resultado, porque a política econômica não tem uma grande efetividade no controle quando as portas do crédito são abertas por outras vias, principalmente por subsídios diversos e aumento considerável de estímulos de aumento de consumo.

Não existe vencido nem vencedor em teoria econômica, pois elas funcionam quando são aplicadas em momentos corretos. A teoria econômica mais ortodoxa serve para dar âncora ao desenvolvimento, se colocada em momento adequado.

O risco atual de termos um repique de inflação acima das expectativas ou das previsões é real, pois o fator do imponderável cenário político embute um risco de perda de eficiência da política monetária como política de controle.

Como assim? A maioria dos economistas acredita que a inflação deverá cair com o baixo consumo: além da queda da renda, o aumento do desemprego propiciam uma maior queda na demanda. Diria que este é um cenário básico e bem racional, caso as coisas se arrumem no campo político.

Necessariamente a baixa demanda não garante queda na inflação, basta ver a economia dos hermanos argentinos em que o tamanho foi reduzido a um terço do PIB ao longo dos anos de devaneio econômico da era Kirchner, mas a inflação real se mantém acima dos 20%, pela falta de elasticidade na demanda de consumo, além das restrições e das dificuldades da economia de mercado atuarem em contraponto ao aumento de preço. Tanto lá como aqui, somos das economias que mais protege as suas indústrias via Impostos de Importação e outras barreiras comerciais.

Os mercados já precificaram os juros e o dólar, mas ainda não a inflação, aí o IPCA, IGPM e outros indexadores poderão se tornar uma boa opção para efeito de investimento. Acredito que os juros deverão se manter ou subir na margem caso o cenário seja de controle da situação e do câmbio. Neste ponto as medidas ortodoxas poderão ter baixa eficiência em controlar a inflação via aumento de juros, sem gerar mais déficit e aprofundamento da recessão.

Eu penso que teremos tanto o IGPM como o IPCA surfando em índices parecidos com 2015, perto da casa de dois dígitos.  Os mercados trabalham com estimativa de 5,5% a 6% e a meta de inflação que o governo trabalha ainda está em 4,5% para 2016.

Todos os impostos, CPMF, CIDE, aumento de combustíveis e etc, de uma forma ou outra virão e são inflacionários, pois serão repassados aos preços finais. Máxi cambial + aumento de impostos = mais inflação. Tomara que a fórmula esteja errada.

Leia mais
Investimentos, Juros, Política
O dilema dos juros
23 de setembro de 2015 at 15:58 0
juros Com o momento político-econômico se agravando em função da queda de braço entre os poderes Executivo e Legislativo, há a possibilidade de agravamento da crise cambial e isso faz com que haja uma mudança nas expectativas em relação aos juros.

Com a curva futura dos juros apontando para 16%, começa a se delinear uma possível projeção de inflação mais aquém da meta estimada pelo Banco Central para 2016. A projeção do futuro embute um clima de descrédito quanto à possível queda da inflação dentro da meta estimada.

A corrente que está formada pelo fluxo da incerteza no âmbito político-econômico vem fazendo com que o dólar seja apreciado constantemente e, assim, acabe impactando na expectativa futura dos juros, apesar da piora considerável na demanda de consumo. O ciclo vicioso está formado.

O dilema da subida dos juros, na atual situação, pode agravar bastante o déficit brasileiro, além de colocar mais gasolina na fogueira. No caso específico do sistema de crédito de habitação, cria um descasamento fantástico. O sistema de poupança vem batendo recordes de saques, principalmente pela falta de atratividade, além de o volume de operações ter crescido de forma agressiva principalmente pela Caixa Econômica (em que saímos de 4% a uma década para 20% do sistema).

Hoje, com a subida dos juros e com os saques crescentes da poupança, os Bancos emitem CDB ou LCI para financiar este déficit, fazendo com que tenham um spread negativo em torno de 3% entre o captado em títulos fora da poupança e o crédito já dado em base de TR. Na realidade o problema é de todo sistema de poupança, apesar de a Caixa ser mais contundente, pois o programa Minha Casa Minha Vida teve uma expansão e representatividade como programa de governo.

O contexto hoje é bem diferente de outros tempos em que o crédito imobiliário não era tão significativo. A subida dos juros, caso se tenha necessidade de usar o crédito imobiliário como política monetária, fará com que o déficit orçamentário, além dos títulos públicos, aumentem significativamente.

Veja esses gráficos:

jurosgrafico poupanca 02

A dimensão do dilema: a possível alta dos juros, caso haja necessidade, poderá fazer um grande estrago nas contas públicas e o não aumento dos juros poderá ser interpretado pelo mercado, já bastante nervoso, como um certo abandono das metas de inflação.

Uma coisa é certa: especular neste momento com juros e dólar é muito arriscado. O conselho é ser conservador em relação aos seus investimentos, sem perder a visão das oportunidades.

Leia mais