X

finanças

Câmbio, Política
Entre a realidade e a ficção eleitoral
5 de julho de 2018 at 15:56 0

Estas eleições serão, certamente, as mais imprevisíveis e emocionantes das últimas décadas. Além da imprevisibilidade total, algo raro, outro fator que torna esta eleição única é a importância que deverá ser dada, por cada um dos candidatos, ao projeto econômico de sua coligação. Será neste ponto que será possível fazer a diferença entre a ficção e a realidade de cada campanha.

O perfil e a história de cada um dos candidatos permite uma ideia do que esperar no campo econômico. A intensidade da crise vivida deu aos brasileiros a urgência da saúde financeira do país, e isso dá aos candidatos a certeza que não será qualquer meia dúzia de besteiras econômicas que convencerão o eleitor.

O nome e sobrenome do político não é mais garantia de voto, vide os baixos índices nas pesquisas de alguns deles. Há rejeição pela velha política. As pessoas querem ideias e propostas sólidas, principalmente no plano econômico: como e de que forma o candidato convencerá o eleitorado que sua proposta financeira é uma realidade, e não uma peça de ficção eleitoreira.

Nesta segunda-feira li uma entrevista do economista Paulo Guedes, o principal articulador econômico de Jair Bolsonaro, pré-candidato à presidência que desponta como a opção entre aqueles que buscam uma mudança na postura política, na forma de governar e no fisiologismo habitual dos noticiários.

Paulo Guedes demonstra de forma clara o limite entre o real e o intangível, já que Bolsonaro não assume qualquer risco político ao contrariar a imagem dele feita pelos eleitores, mesmo que isso não pertença ao programa econômico. É preciso ficar claro que um programa econômico é sempre uma obra autoral, pertencente ao mentor financeiro da coligação, e que ele sempre estará longe de ser um compromisso dos candidatos.

A entrevista coloca, na própria fala do mentor de Bolsonaro, uma série de dúvidas que ele mesmo tem em relação à capacidade de Jair Bolsonaro em assumir reformas necessárias e fundamentais para a política fiscal do país. Há também dúvidas quanto ao programa de privatizações, embora Guedes acredite no aval presidencial, caso Bolsonaro seja eleito, para dar cabo às privatizações. Há dúvidas quanto à assunção pública desses compromissos. Parece que não.

Ciro Gomes, apontado pelas pesquisas como alternativa viável, que já vinha acenando ao mercado com uma abordagem econômica mais moderada, deu uma guinada no discurso pró-esquerda, e agora se posiciona não só contra as privatizações, como também a favor de rever aquelas já realizadas, como os leilões da Petrobras. Ciro Gomes fala o que o mercado não quer ouvir, como “limite de gastos em juros é praticamente falar em tabelar”.

Esse é um discurso claramente montado para atrair grupos de eleitores, principalmente aqueles adeptos de um modelo classista com apoio estatal de programas setoriais, e não de modelos econômicos. Estes setores tendem à esquerda e ainda não adotaram nenhum candidato. É esta fatia do eleitorado que Ciro Gomes tenta conquistar.

A terceira opção é Marina Silva, que traz consigo um programa montado para acalmar os mercados, terá como maior desafio convencer os eleitores de maior escolaridade e os especialistas do setor financeiro quanto à viabilidade de seu plano econômico, visto com desconfiança. Muitos acreditam que Marina não tem perfil operacional, o que inviabiliza a implementação do programa econômico. Sendo assim, suas propostas ainda são classificadas como ficção.

Por último temos Geraldo Alckmin, que seria a tendência natural para manutenção de uma política econômica com rumo correto. Alckmin, que tem maior lastro administrativo e trajetória mais consistente, traz consigo Persio Arida, um grande economista com experiências no setor privado e na área pública. Este será o plano econômico com maior aderência à realidade mercadológica.

Por que então as pesquisas, e os eleitores, têm punido tanto Geraldo Alckmin? Acredito em dois fatores: o primeiro é o desgaste político do PSDB e o segundo é a personalização do que o eleitor acabou por rejeitar, que são as coligações partidárias e o toma lá dá cá. Há também a pouca exposição econômica dos méritos de sua administração, principalmente na defesa explicita de um programa reformista mas privatista, uma bandeira pétrea do PSDB. Ao não assumir posições explicitas e compromissos formais, como faz Bolsonaro, seu principal concorrente, Alckmin perde força junto ao eleitorado que busca um presidente que combaterá a criminalidade com tolerância zero.

A questão que fica é: até que pontos os programas econômicos tem capacidade para influenciar e impactar a decisões dos eleitores? Ficará o Brasil à mercê de devaneios econômicos como na era Collor? É certo que os programas econômicos e de governo terão mais atenção à medida que influenciam o cotidiano.

Leia mais
Finanças, Investimentos, Política
A expansão do crédito no Brasil e as consequências
28 de agosto de 2015 at 17:07 0

post_blogdosaulA expansão muito acelerada do crédito no Brasil nos últimos 10 anos, contribuiu para aumentar o consumo pelas famílias brasileiras. Essa expansão alavancou o acesso ao consumo por uma camada da população muito representativa, hoje chamada “Nova Classe Média”.

Demandas para diminuir os déficits habitacional, universitário, de transporte e logística foram responsáveis pelo crescimento do acesso ao crédito no Brasil. Entretanto a estabilidade econômica conquistada nesses anos, razão deste crescimento de consumo, me faz acreditar que fomos muito mais rápidos do que seria suportável e sustentável, obrigando o país a colocar um freio e controlar melhor a disponibilidade do crédito para a população.

A previsibilidade da situação econômica, a inflação e as contas públicas sob controle que foram frutos de uma reformulação da economia brasileira no final dos anos 90, além do estímulo causado pela economia mundial positiva, abriram a possibilidade da expansão do sistema financeiro a partir dos anos 2000.

Neste artigo, vou tratar de analisar a situação do mercado imobiliário. Os bancos trabalharam muito para a expansão do crédito imobiliário e a população de baixa renda teve especial atenção nesse cenário. Nos anos de 2002, 2004 e 2006 foram tomadas medidas que permitiram o crescimento do setor enquanto os juros caíam. A estabilidade econômica das pessoas garantia aos bancos a confiança para alongarem o prazo dos seus empréstimos, facilitando bastante a compra de um imóvel.

Em 2009, o governo lançou o programa MCMV (Minha Casa, Minha Vida), com metas ousadas e deu subsídios às moradias populares que chegavam a 95% do valor do imóvel na faixa de renda mais baixa, para quem aderisse ao programa. Um impulso ainda maior à demanda.

Hoje, pelas restrições fiscais enfrentadas pela União, podemos observar um maior contingenciamento do governo, inclusive o adiamento da fase 3 do programa MCMV.

Recentemente foi aprovado na Câmara dos Deputados um projeto de lei que aumenta a remuneração do FGTS, o que fatalmente aumentará o custo do funding para o segmento e, consequentemente, restringirá a demanda. Essas políticas não foram boas, teremos muitos desafios à frente. Repetindo a história, essa crise afetará a construção civil, diminuindo também as vendas de insumos a níveis insustentáveis. O mais provável é que as incorporadoras financiem seus empreendimentos diretamente aos consumidores e desacelerem novos lançamentos.

Todo gestor de investimentos sabe que corre risco em qualquer transação. É importante estar atento às boas oportunidades dentro de um cenário que parece caótico, pois elas existem. A atenção, o conhecimento da história do mercado financeiro e a disciplina são fundamentais neste cenário. A volatilidade do mercado acionário deve ser acompanhada com cautela, para não cairmos em tentação, sem termos a real avaliação do risco.

Leia mais