X

Economia

Política
Economia reage, inflação cai e PIB cresce. Fim da crise à vista?
16 de maio de 2017 at 17:58 0

Economia reage, inflação cai e PIB cresce. Fim da crise à vista?

O anúncio de que o IBC-Br teve uma alta de 1,12% nos três primeiros meses do ano foi motivo de comemoração para economistas. Esse indicador é construído pelo Banco Central e funciona como uma tentativa do Governo de antecipar o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, já adiantando algumas decisões, especialmente em relação às taxas de juros. Confirma o que falei há algum tempo sobre a importância dos indicadores tanto na tomada de decisões quanto para acompanhar a saúde econômica brasileira.

A grande estrela do resultado positivo do IBC-Br é a safra recorde de grãos já que o levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), prevê que a safra 2016/2017 deve chegar a 230 milhões de toneladas. É um crescimento de 24,3% em relação ao período anterior e significa uma incrível movimentação econômica com geração de empregos diretos e indiretos e movimentação de várias cadeias produtivas.

Embora o resultado seja positivo, afinal significa que o país está no rumo certo, não é realista esperar um crescimento expressivo diante de tantos meses de crise. Nos últimos anos o Brasil sofreu perdas consideráveis de credibilidade: um longo processo de impeachment, a queda do grau de investimento e consequente fuga de capital.

Michel Temer e sua equipe fizeram um esforço considerável no sentido de aprovar medidas percebidas como impopulares, porém muito necessárias para a recuperação do país. A aprovação da PEC do Teto provou aos investidores que o Brasil tem a intenção em conter seus gastos públicos e, como resultado, a Moody’s alterou o rating brasileiro de negativo para estável. A própria agência afirma que a continuidade e implementação consistente dessas políticas pode afetar positivamente futuras classificações.

Uma das grandes vitórias é o controle da inflação, grande trauma para os brasileiros. Isso significa que um governo que mantém os preços sob controle e garante renda e poder de compra consegue a confiança da população. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de abril ficou em 4,08%, o menor para o mês desde o início do Plano Real, em 1994. As categorias que puxaram esse número para baixo, dessa vez, foram os combustíveis, energia elétrica e habitação.

Estamos apenas no começo de um longo caminho na retomada do crescimento. As reformas Previdenciária e Trabalhista estão a poucos meses de serem aprovadas e estamos a pouco mais de um ano de um processo eleitoral que não apenas promete ser um dos mais acirrados das últimas décadas, mas irá garantir a continuidade dos ganhos dos últimos meses ou colocar tudo a perder.

Como diz o ditado, esforço e trabalho duro oferecem suas recompensas. A economia brasileira agradece.

Leia mais
Finanças, Juros, Política
Inflação e Deflação – Impactos na economia do país
15 de março de 2017 at 12:43 0
O desejo de todos os brasileiros de que a inflação diminuísse veio melhor que o esperado, com o anúncio de que o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor) de fevereiro ficou em 0,33%, a menor taxa em 17 anos, e trouxe o acumulado dos últimos 12 meses para 4,76%, ou seja, a inflação está a caminho da meta. Os dados foram divulgados pelo IBGE na semana passada. O consumidor aos poucos sente a melhora nos preços e o impacto no custo de vida. A alta nos gastos com educação, apesar de corresponderem a cerca de 70% da taxa geral do mês, são os menores desde 2010. A alimentação teve deflação de 0,45%, bem como transporte aéreo (12,29%) e vestuário (0,13%). O último Boletim Focus reduziu ainda mais a estimativa da inflação para 2017, agora na faixa dos 4,19%. Talvez esse seja o empurrão que falta para que o Comitê de Política Monetária – COPOM, baixe os juros de maneira mais agressiva para influenciar mais significativamente a economia, barateando o crédito e incentivando a produção e o consumo. A expectativa para o ano é que a SELIC fique em 9,52%, mesmo com a última reunião não tendo o corte esperado, mantendo a taxa em 12,25%. É preciso aguardar, pois sabemos que em economia nada é gravado em pedra. Se analisados individualmente, esses indicadores podem não fazer sentido para grande parte da população, porém nos ajudam a formar uma visão mais ampla do cenário. Por exemplo, no final de fevereiro o IBGE divulgou que a taxa de desemprego é de 12,6%, a maior desde 2012, e todos sabemos que sem dinheiro, as pessoas consomem menos, fazem menos compras no crediário e colocam pé no freio dos financiamentos. É um ciclo vicioso: o custo de vida ainda está alto, com juros exorbitantes, desemprego e muita dificuldade de recolocação profissional. Tudo isso gera a falta de consumo de produtos e serviços e fazem com que empresas demitam os funcionários que, por sua vez, também deixarão de consumir, mesmo com preços baixos e promoções – que são os valores em queda registrados pelo IPCA. É deflação. A tão esperada deflação é algo que, se não acontecer, tende a causar problemas tão ou mais graves que a inflação altíssima que estamos enfrentando. Parece estranho afirmar isso, mas a oscilação nos preços é apenas a ponta de um sistema que produz bens, oferece serviços e depende do consumo para sobreviver. Ainda há muito trabalho a ser feito, as variáveis para contenção da crise mudam diariamente e garantir emprego e renda para uma população do tamanho da nossa não é tarefa simples. Mais uma vez a bola está na arena política, com as discussões sobre a Reforma da Previdência e a contenção dos gastos do governo. Seguimos observando.
Leia mais
Bolsa
Brasil pós-carnaval: perspectivas boas para economia
8 de março de 2017 at 11:04 0

2017-03-07-SaulSfb

Março começou cheio de notícias com potencial de modificar o panorama econômico mais uma vez. A semana curta e meio morta depois do Carnaval ficou bem agitada para o observador econômico, como notícias do Banco Central, Mercado Financeiro, FED e Balança Comercial.

Certamente a mais importante é a projeção da redução da taxa SELIC para a faixa de 9,25% ao final de 2017 por analistas do mercado financeiro, resultado da estabilidade de 4 semanas da taxa. Já o Comitê de Política Monetária – COPOM, avalia que o cenário é favorável e que há possibilidade de desinflação, com meta do IPCA em 4,5% para 2017 e 2018.

Esses números são estimativas e sempre baseados no comportamento das economias em época de crise. Por exemplo, se os preços não aumentam, a inflação tende a diminuir e o consumo a aumentar. Os analistas já estimam que o crescimento da economia fica 2,37% para 2018 e o dólar cai de R$ 3,40 para R$ 3,37.

Parece cedo para apresentar essas estimativas para 2018 e até 2019 em alguns casos, mas essas previsões são fundamentais nas tomadas de decisões. De forma prática, as informações são essenciais na escolha de um investimento pré ou pós-fixado, por exemplo.

Nos Estados Unidos os anúncios do FED também são importantes pois divulgam dados da atividade econômica americana e como isso pode afetar o restante da economia mundial. A expectativa é de alta de juros, especialmente se o presidente Trump implementar algumas medidas anunciadas no discurso ao Congresso americano no último dia 28.

O superávit da balança comercial brasileira de US$ 4,56 bi em fevereiro é recorde para o mês, desde 1989, e resultado do aumento das exportações de semimanufaturados e manufaturados. A projeção de queda do dólar tende a aumentar a demanda por produtos brasileiros, aumentando também os postos de trabalho e fazendo girar a economia. Talvez não seja ainda resultado direto dos dados a serem anunciados pelo FED, mas com as exportações brasileira já estão aumentando.

As notícias mostram que os caminhos estão se alinhando para nós, brasileiros. Que nós saibamos caminhar na direção certa e tomar as melhores decisões, aproveitando o momento que, se não é totalmente favorável, com certeza pode é bem melhor que neste mesmo período do ano passado.

Leia mais
Investimentos, Política
O que está por trás das mudanças do FGTS
21 de fevereiro de 2017 at 16:15 0

A notícia que o governo liberou o saque de contas inativas do FGTS não foi surpresa, afinal os debates sobre mudanças no fundo vêm ocorrendo há vários meses, atraindo a atenção dos trabalhadores brasileiros. A Medida Provisória 763/2016 liberou o saque das contas inativas vinculadas a contratos vencidos até 31 de dezembro de 2015 e também elevou a rentabilidade por meio da distribuição dos lucros.

Engana-se quem acredita que é apenas um pacote de bondades, como o que temos visto nos últimos anos nos últimos governos. A liberação do saque faz parte de um conjunto de medidas que tem o objetivo de fortalecer a economia brasileira, que ainda patina. Todos sabíamos que a recuperação não seria fácil, mas temos visto um esforço genuíno do governo atual em fazer o Brasil crescer novamente.

A questão do saque do FGTS é um exemplo claro desse esforço, já que a liberação desses valores tem potencial para injetar mais de RS 30 bi na economia. A maior parte desses saques são de valores até um salário mínimo e que, embora pareça pouco, pode ser o suficiente para o pagamento de dívidas que permitam que o trabalhador volte a consumir.

A outra mudança importante é a rentabilidade que o FGTS vai oferecer ao trabalhador, que irá se aproximar de 6% mais a TR, resultado da distribuição dos lucros. É uma mudança importante, já que o fundo vem acumulando perda de rendimento e chega a ter um rendimento pior que a poupança – em 2016, por exemplo, não chegou a recompor a inflação anual.

É importante verificar, como a mudança na regra da remuneração impacta no setor de infraestrutura. O FGTS é utilizado pelo governo para investimentos em obras de infraestrutura básica, saneamento, imobiliários e outros, e nós sabemos que estamos diante de um grave problema de confiança no segmento, com o envolvimento das construtoras na Operação Lava-Jato.

Outra grande mudança no Fundo de Garantia é a liberação dos recursos do trabalhador para a aplicação em imóveis de maior valor, até R$ 1,5 mi. Especialmente nos centros urbanos, essa medida tem uma consequência muito boa, no sentido de ajudar a reduzir os estoques imobiliários. As construtoras, por sua vez, são forçadas a construir novos empreendimentos de alta renda e reabrir os quase 780 mil postos de trabalho encerrados nos últimos anos.

De modo geral, acredito que é uma boa medida recompor o poder de compra dos brasileiros para estimular o consumo e o investimento. O governo espera que o ano de 2017 se encerre melhor que 2016, com mais brasileiros empregados e mais dinheiro circulando. Depois de tanto tempo em recessão, um pequeno respiro é bem-vindo para todos nós.

Leia mais
Juros
O impacto dos juros no mercado imobiliário
9 de janeiro de 2017 at 15:13 0

2017-01-09-linkedin-saulsCom a fábrica de crise funcionando em três turnos, o Brasil incorpora já há algum tempo sustos sobre o futuro politico. De positivo neste contexto de incertezas: a inflação e a taxa de juros. Há a percepção de queda da inflação já em 2016, com a conversão para os 6,5% da banda superior da meta projetada pelo BC. Para o ano que vem o Banco Central buscará os 4,5%. As projeções dos juros para o fim de 2017, conforme dados de alguns agentes econômicos, apontam para algo em torno de 10% no final do ano, mas não fiquem surpresos se a SELIC chegar a até mesmo um dígito. Essa movimentação do Copom movimentará o mercado imobiliário brasileiro.

O impacto dos juros no mercado imobiliário é equivalente ao cambio para as empresas exportadoras. Quando o governo muda a taxa de juros básica, ele reorganiza o setor e faz com que os agentes financeiros retomem o crédito. É importante lembrar que a poupança, o principal fomento do setor, é calculada a partir da TR, a chamada Taxa Referencial, que foi criada no governo Collor para, como o próprio nome diz, servir de referência para a composição das taxas de juros, principalmente do sistema imobiliário.

Uma breve análise do impacto de redução de juros permite destacar os seguintes pontos:

  • A caderneta de poupança tem juros rígidos, estabelecidos em TR + 6% ao ano. Com o déficit do balanço da poupança em mais de 100 bilhões ao longo de 3 anos, o setor de crédito ficou bastante restritivo.
  • A queda dos juros em cada ponto percentual se aproxima mais da curva da poupança, que é o rendimento da caderneta. A curva atualmente está em TR + 6% ao ano. O impacto do déficit tende a diminuir e a reequilibrar o setor, além de diminuir a distância das taxas de outros ativos. O Copom, já agora em janeiro, deverá refletir a direção da queda contínua dos juros salvo alguma mudança no cenário doméstico.
  • O sistema de crédito imobiliário tem sua formação inicial baseada no tripé dos juros adequados, inflação controlada e prazos longos. Os bancos ligados ao sistema de habitação chegam a financiar em até 30 anos. Isso faz com que cada ponto percentual na Selic seja muito significativo no cunho de formação do custo de capital de toda a cadeia. O crédito de longo prazo é importantíssimo na formação da liquidez do sistema imobiliário. Por exemplo, quando a prestação converge com os aluguéis de residências ou mesmo comerciais, a parcela encaixa no bolso. Em consequência, o mercado de compra de imóvel melhora sua liquidez e impacta na demanda por imóveis.

Hoje a crise do mercado imobiliário é formada pela baixa capacidade dos consumidores em manter a pontualidade dos pagamentos, o alto endividamento das pessoas físicas e jurídicas e o crescente desemprego. Some a isso a queda de confiança na economia e na política.

A crise explodiu com o distrato de contratos, que drenou o caixa da maior parte das incorporadoras. Essa devolução de imóveis nunca esteve nos planos, e hoje gera crise de grandes estoques nas imobiliárias, que combinado com a falta de demanda e crédito cria uma situação delicada. A recuperação do setor depende do escoamento desse estoque imobiliário, pois só depois da devolução dos ativos ao mercado é que o setor deverá voltar à sua plenitude.

Problema para uns, oportunidades para outros, já que esse overstocking pode ser atraente para investidores especulativos, assim como foi nos EUA ou mesmo na Europa, quando os preços caíram firmemente. Basta acompanhar os preços de leilões de imóveis, onde se registra uma queda de até 50% dos preços anteriormente lançados. Se traçarmos o cenário em curso, poderemos ter um movimento gradual de retomada do crédito e dilatação dos prazos, e, consequentemente, uma melhor precificação dos ativos imobiliários. Ainda assim, há oportunidades para investidores: alocar capital em 2017 em operações na compra de bons ativos, a preços ainda bastante convidativos.

Há aspectos parecidos na crise tupiniquim e estadunidense, como o endividamento dos consumidores e a confiança econômica. Foram necessários três anos para que a economia americana voltasse a uma certa estabilidade, atingida em parte pelo escoamento do estoque de ativos imobiliários e pela melhora nas condições de crédito. As grandes construtoras de obras públicas, também atoladas de ativos como estradas, aeroportos e derivados, precisam esvaziar seus estoques para voltar aos canteiros. Somente com isso é que haverá geração de novos empregos, tanto nessas empresas quanto na cadeia produtiva. Esse esvaziamento motivou o BC americano e os europeus a atuarem fortemente na compra dos chamados ativos tóxicos, destravando assim o setor como um todo.

Uma saída para desatar esse nó górdio econômico seria, por exemplo, a criação de linhas pelo BNDES ou BC para agentes financeiros. Isso permitirá a capitalização de operações estruturadas com garantias imobiliárias, que retirariam parte destes estoques das incorporadoras. Isso aceleraria a recuperação da atividade das construtoras, já que apenas a redução dos juros não resolverá por si só os distratos. De qualquer forma, as últimas medidas do governo já são um alento. A aprovação da PEC permite vislumbrar de forma clara o controle do orçamento público.

Como se diz, nada se inventa e tudo se copia, e o modelo americano é um bom parâmetro. Se quisermos realmente acelerar a volta da retomada do crescimento, já temos uma cartilha base: girar o estoque com linhas de crédito específicas sem juros subsidiado, via agentes bancários ou operações estruturadas, diminuindo assim o peso destes ativos e abrindo espaço para novos investimentos.

Leia mais
Outros assuntos
O que podemos concluir na retrospectiva econômica de 2016?
23 de dezembro de 2016 at 15:49 0

sauls_2016_12_23_facebook

Já era esperado que 2016 seria um ano difícil economicamente, depois de tanta tensão acumulada no processo do impeachment que se arrastou em 2015. O interessante é que o ser humano mantém a esperança e o ano novo renova este sentimento de uma maneira curiosa: as nossas expectativas são reajustadas de acordo com as possibilidades do novo ano e não como resultado de todas as decisões que fizemos no anterior.

O circuit breaker da bolsa chinesa logo na primeira segunda feira de 2016 foi, entretanto, um choque de realidade. Todo o mundo foi afetado e pego de surpresa pelo inédito encerramento das atividades da Bolsa de Valores da China, que acarretou queda da BM&FBovespa e disparou o dólar para acima dos R$ 4,00. Como se essa notícia não fosse o bastante, logo em seguida o governo brasileiro acabou com a isenção fiscal para despesas educacionais, hospitalares e de serviços turísticos no exterior.

Até a conclusão do impeachment o Brasil sofreu as piores perdas de credibilidade na economia. A recusa do governo em assumir a gravidade da crise sofreu um baque quando a Moody’s cortou dois níveis da nota brasileira e passou a classificar o Brasil como “junk”. Perdemos o grau de investimento e com ele a credibilidade, mas, especialmente, o capital.

O impeachment foi a grande reviravolta que o Brasil sofreu em 2016. A quebra no poder foi dramática em todos os sentidos, especialmente na nossa política econômica. O Governo Dilma protelou em admitir a crise, em executar medidas que a contivesse ou mesmo em planejar a recuperação do país. Temer assumiu com o compromisso de executar as reformas fiscal, previdenciária e conter os gastos públicos em um dos piores momentos políticos pelo qual o país já passou.

A sensação de confiança do mercado, entretanto, deu os sinais positivos que o governo precisava para iniciar com a chamada PEC do Teto e, com isso, criar sua primeira grande crise.

Não é de se espantar que o país fervilhou nesse período. A internet e as redes sociais amplificaram a mudança do comportamento dos cidadãos e mostraram que o eleitor tem exigido participar dos processos políticos. A nova geração não apenas compartilha informação e promove manifestações através dos aplicativos, mas eles modificaram a maneira de se relacionar com o mundo e fazer negócios em 2016. As redes tradicionais de televisão, por exemplo, se sentiram ameaçadas pelo Netflix e, ao mesmo tempo que fizeram mudanças para atrair o consumidor, pressionaram o plenário para proteger os interesses do segmento.

É interessante notar como é a tecnologia quem vem mostrando que o país só perde pela maneira como alguns segmentos econômicos são estruturados no Brasil. O próprio sistema bancário é alvo de análises nesse sentido, já que a alta concentração tem sido acusada de ser a grande responsável pelas dificuldades na obtenção de créditos. Repensar o sistema bancário, com desintermediação bancária e facilitação de levantamento de capitais pode ser uma alternativa à crise e que acompanha a evolução da sociedade nos últimos anos.

O Novo Mercado da Bolsa de Valores também sofreu algumas reformulações em 2016. Foram medidas importantes que protegem os minoritários, uma bandeira que carrego desde o início da minha carreira, pois acredito que dá credibilidade ao mercado. As questões de governança corporativa estão muito em alta no momento e precisam ser debatidas com seriedade e cautela, não apenas por motivos midiáticos. A Bolsa brasileira ainda precisa muito evoluir, especialmente no mercado de balcão. O ano de 2016 mostrou que a economia da tecnologia tende a crescer e necessita de uma Bolsa que atenda suas especificidades.

Como dizem os nossos jovens, 2016 chegou na season finale. Foi um ano agitado, intenso, acelerado, mas parece ter cumprido o seu propósito: chacoalhou as coisas, mexeu com as pessoas, acordou o país. Como bom brasileiro, vou olhar para 2017 com as possibilidades que ele nos traz. Um novo, em branco, para ser escrito com a sabedoria que 2016 nos deu.

Feliz ano novo!

Leia mais
Outros assuntos, Política
Desigualdade de gênero no mercado de trabalho
8 de dezembro de 2016 at 09:58 0

sauls_2016_12_07_facebook

O tema da desigualdade de gênero no mercado de trabalho é espinhoso não apenas no Brasil, mas em todo o mundo. Desde países onde a economia está mais avançada aos mais pobres, a diferença no tratamento das mulheres em relação aos homens é uma questão que deve ser debatida com atenção especial. A economia mundial agradece, eu explico por que.

A última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio do Brasil, Pnad, mostrou que as mulheres são 51,4% da população e respondem pelo sustento de 37,3% das famílias. O IBGE estima que elas ainda têm, em média, cinco horas semanais de trabalho a mais - e não contabilizadas - que os homens, referentes aos trabalhos domésticos. Mesmo assim, ganham menos que os homens e ocupam menos posições de chefia (apenas 7,4%, segundo a FGV).

Se continuarmos no mesmo ritmo, estima-se que as coisas ainda demorarão muito a mudar: os salários só serão os mesmos em 2085. Apenas em 2213 teremos 51% de altas executivas, a mesma proporção de mulheres na população em geral. Na política, as vagas serão proporcionais em 2083 no Senado, em 2160 nas Câmaras Municipais e 2254 na Câmara dos Deputados.

Mesmo em países mais avançados existe essa discrepância. Os EUA estimam que ainda demora 40 anos para uma taxa de ocupação igualitária em altos cargos executivos. Para um efeito mais imediato, Suécia e França estipularam cotas em conselhos e o Reino Unido fez uma grande campanha para que governo e corporações firmassem compromissos públicos.

Essa desigualdade cobra um alto preço. As mulheres tomam a maior parte das decisões no orçamento doméstico, logo, é natural que um orçamento maior e mais independência reflitam diretamente em toda a economia do país. Além da correlação entre o PIB e a igualdade salarial, a qualidade dos gastos melhora, uma vez que os investimentos preferencialmente escolhidos por elas são na área de saúde, educação, segurança e bem-estar.

Horários flexíveis, ampliação na rede de cuidados infantis (berçários, creches, escolas de tempo integral) e ações no sentido de qualificá-las para o empreendedorismo são algumas medidas que podem valorizar e promover maior presença das mulheres no mercado, além de beneficiarem todos os colaboradores. Proporcionar a construção dessas carreiras é uma das metas do Fórum Econômico Mundial. É interessante ver como esse ingresso no mercado modifica a qualidade do ambiente de trabalho e de toda a sociedade.

Já o mercado financeiro é uma área muito competitiva. Para as mulheres, especificamente, construir uma carreira nesse meio é questão de talento e também oportunidade. Tenho orgulho de ser CEO de uma empresa que conta com mais de 40% dos cargos de chefia ocupados por mulheres e seria demagogo da minha parte não utilizar esse conhecimento.

Nosso segmento privilegia a performance e consistência na execução de processos, portanto a capacitação e inteligência corporativa colocam essas mulheres em posição privilegiada, com mais poder do que imaginamos. Elas vêm conquistando cada vez mais espaço nas corporações e no mercado de trabalho como um todo. Ainda bem!

Há muito o que melhorar nesse sentido. A BM&FBovespa divulgou em novembro a 12ª carteira do ISE e apenas 50% das empresas conta com uma ou mais mulheres participando efetivamente em seus Conselhos de Administração – número menor que em 2015. Devemos, entretanto, destacar que 81% das empresas do índice acredita que é importante alcançar a igualdade de gênero.

O tema, felizmente, avançou do discurso social para o campo econômico e, como sabemos, o dinheiro fala alto. Investir nas líderes é mais do que usar o discurso feminista, é abrir caminho para uma gestão que beneficie a todos igualmente, gere lucros e melhore a reputação da empresa. Apostem nisso!

Leia mais
Outros assuntos, Política
O impacto de Trump na nossa economia
23 de novembro de 2016 at 07:50 0

card_sauls_22_11

As pesquisas de opinião e previsões de especialistas mais uma vez não se confirmaram e deixaram o mundo perplexo. Tem se tornado uma constante que os prognósticos mais improváveis, como a votação do Brexit, na Europa, e a vitória de Donald Trump para a Presidência dos Estados Unidos se tornem realidade e surpreendam a todos. Estamos, sem dúvida, caminhando para um período de incerteza absoluta, inclusive se considerarmos, no caso das eleições norte-americanas, que as últimas pesquisas davam uma pequena vantagem a Hilary Clinton - que se confirmou com a vitória da democrata na votação popular.

A política econômica do governo Obama foi fortemente apoiada na economia de mercado global, totalmente oposta da opção de Trump. O novo presidente tem a promessa de um mercado mais voltado para dentro, com objetivo de incluir novamente um maior contingente da população americana no mercado de trabalho, principalmente com as oportunidades que tem os imigrantes ilegais e o fechamento de postos de trabalho nos Estados Unidos para serem reabertos em outros países.

Apenas após a posse de Donald Trump é que poderemos efetivamente sentir se o discurso do candidato se materializa, uma vez que não são apenas seus atos e intenções que o tornam realidade. O que todos queremos saber, entretanto é o que significa exatamente a vitória do partido republicano para nós e outros países emergentes.

Mesmo em crise, os Estados Unidos são a maior economia do mundo, acredito, portanto, que se 30% das propostas sejam implementadas, o efeito pode ser devastador.

Nós já vivemos um momento semelhante de incerteza, quando Lula assumiu a primeira vez a Presidência da República. Naquela ocasião os mercados precificaram todas as promessas de campanhas e Lula teve que assinar uma carta compromisso prometendo não romper com os mercados como falou em campanha, além de repactuar o pagamento da dívida pública e se retratar com os mercados. Para dar credibilidade a estas ações, montou uma equipe econômica suprapartidária e reconhecida por sua qualidade técnica.

Essa é a tendência de todos os presidentes controversos: em um primeiro momento tomam medidas para acalmar os mercados e em seguida vão implementando as respectivas plataformas de campanha, de acordo com o apoio que receberam para se eleger. Isto acontece de maneira geral e não dá para avaliar se será apenas retórica todo o discurso de Donald Trump em campanha, como também não dá para fazer uma avaliação precisa dos novos passos que seriam dado daqui para frente. O que temos como dado positivo é a biografia empresarial do novo presidente

Avaliando a fundo o cenário, podemos dizer que a economia global e a própria globalização serão reavaliados. Tanto o Brexit quanto Trump receberam os votos contra a globalização dos mercados e a favor da proposta de reequilibrar os mercados pelo viés de maior proteção do mercado interno, ou seja, mais protecionismo, mais inflação e consequentemente mais juros com perspectivas de mais empregos em razão da menor competição externa.

Dessa forma, não dá para que as ações de Trump sejam muito diferentes de seu discurso e isso deve dar início a uma nova ordem econômica para o mundo atual. Economicamente, para os cidadãos americanos, poderá não ser ruim e é curioso ver que este foi o mesmo pensamento que norteou o voto do cidadão inglês, que optou por sair do mercado comum europeu, mesmo que não seja o pensamento de suas cidades principais, líderes e símbolos de globalização, Nova Iorque e Londres, respectivamente.

O fundamento dessas duas vitórias são os mesmos, pois os eleitores que venceram não foram dos grandes centros e mais importantes culturalmente, mas sim os dos estados mais afastados e menos incluídos no processo de globalização.

Para o Brasil, o momento anterior ao da eleição era de uma maior estabilidade e de previsibilidade da nossa economia baseada na vitória da Hilary. Consequentemente e de imediato, uma das possíveis consequências de um presidente polêmico como Trump é a volta da volatilidade nos mercados, câmbio, juros e bolsa que, até então, estavam comportados.

É quase certo também que aconteça um aumento nos juros americanos, o que já tinha sido sinalizado pelo FED e agora depende principalmente dos indicativos da política comercial dos EUA, no que diz respeito a barreira comercial de alguns mercados e até mesmo com aumento de tarifas de importação. O efeito nas relações comerciais, caso algumas promessas venham a ser cumpridas, deverão ser sentidas pelas maiores economias mundiais.

É extremamente relevante e impactante para o resto da economia mundial o efeito da economia do EUA, em razão da moeda norte americana ainda lastrear em todo o mundo as transações comerciais e as reservas dos outros países. O mundo desenvolvido tem vivido um momento de desinflação, juros negativos e baixo crescimento com altíssima liquidez no sistema financeiro, além de uma concentração de renda cada vez maior. Se alguém tem capacidade de mudar este jogo, bastando colocar em prática 30% de suas promessas de campanha, é Donald Trump juntamente com o apoio do Partido Republicano.

Em menos de uma semana vimos o câmbio dar um overshoot, desvalorizando em mais de 10% a moeda americana, e isto faz com que o custo dos hedges ficassem mais caros, com os juros futuros revertendo a tendência de queda dos bonds corporativos brasileiros. Com certeza fica mais caro investir no Brasil e o capital externo exigirá mais premium para vir a investir em nosso país ou outros mercados emergentes, pois a volatilidade do câmbio afasta investimento causado pela incerteza.

Todos sabemos que o impacto no dólar afeta diretamente componentes e produtos importados, que por sua vez comprometem a queda da inflação e, consequentemente, a trajetória de queda dos juros poderá ser mais lenta. A  implementação da política econômica do governo Trump envolve muitas questões comerciais e bilaterais de comércio exterior, principalmente entre EUA e UE, e o efeito dessas decisões redireciona o sistema financeiro mundial, impacta os fluxos de capitais (principalmente para os emergentes como o Brasil) e a tendência é de um fortalecimento do dólar, gerando maiores dificuldades de acessar o mercado interno norte-americano. Até mesmo a China pode ser afetada se Trump seguir com sua promessa de priorizar indústrias americanas.

O câmbio deve se manter volátil pelo menos até o início do governo Trump, mantendo a moeda brasileira pressionada. Acho pouco provável que aconteça uma mudança de percepção sobre a tendência econômica anunciada durante a sua campanha, sendo que o anúncio de seu quadro ministerial e equipe econômica e que emitirá os sinais concretos da direção e real intenção de Donald Trump. Caso esta equipe não inspire confiança, os mercados globais tenderão a reagir com bastante volatilidade. Aliás, esta é a única coisa que é certa: muita volatilidade.

Como sempre, é preciso ver o lado bom das situações. Novamente seremos forçados a agir rápido nas reformas internas, sendo que a fiscal já está em curso e a previdenciária que não pode mais ser adiada. É preciso destravar a economia e nos prepararmos para o efeito externo que poderá não ser nada agradável para nós que já estávamos mais confiantes para uma retomada do crescimento em 2017.

O elefante é o representante oficial do Partido Republicano. Para nós resta esperar que os próximos 4 anos representem a força e a inteligência desse animal e não seu conservadorismo e pretensão. Com a habilidade que Donald Trump demonstrou até aqui, em toda sua carreira empresarial e recente carreira política, só nos resta esperar que essa força também nos ajude a crescer e avançar economicamente.

Leia mais
Finanças, Investimentos
Índice de confiança é o fator da virada
4 de agosto de 2016 at 17:43 0

03_08_SS

Como temos visto cotidianamente e ao nosso redor, já é possível constatar a melhora de humor do mercado financeiro, apesar da contínua piora de alguns indicadores, como o próprio desemprego, além do déficit das contas públicas e da queda brutal da arrecadação. O índice de confiança primeiramente aflora em alguns segmentos, geralmente nos que indicam o fundo do poço da crise econômica e consequentemente dão o sinal da possível virada econômica.

O gráfico a seguir, publicado pelo Valor, mostra o quanto nosso índice de confiança caiu, ultrapassando 2008, quando tivemos uma crise mundial sem precedentes.

20160803_SS_IndiceDeConfiança_Grafico

O índice de confiança, nos dias de hoje, é mais representativo e significativo economicamente uma vez que faz a leitura potencial do grau de avaliação no consumo e nos investimentos. A confiança representa para o trabalhador assalariado e prestadores de serviços com baixa ou média renda o "stop and go" para o consumo em geral. Já para os empreendedores, representa a decisão de investir ou não no mercado de capitais, principalmente nos negócios.

Depois que o lastro da moeda foi extinto, o que dá sustentação é a credibilidade que vem casada com a confiança nos agentes econômicos e governos. Por isso a Zona do Euro, por exemplo, tem regras rígidas para que demonstrem um mínimo de credibilidade fiscal, como manter os principais indicadores, déficits e orçamento fiscal em níveis adequados.

No Brasil podemos dizer que a virada do índice de confiança vem, sem dúvida, acoplado a uma solução política minimamente confiável. O governo da Presidenta Dilma carecia muito de credibilidade e de processos de gestão, principalmente diante da preferência por ocupar os quadros de primeiro e segundo escalão com base na fidelidade partidária ao PT, em detrimento do mérito, competência e experiência. Pudemos ver, em primeira mão, onde esse critério de escolha nos levou. Sem dúvida o Presidente interino Michel Temer sabe que a única forma de conquistar a confiança da população é demonstrando uma gestão eficiente. Para isso, colocar pessoas competentes nestes postos estratégicos demonstra claramente a direção correta - e a reversão da tendência do índice de confiança mostra isso.

 De modo geral, diria que algumas situações nos permitem observar o cenário macro com certo otimismo. Veja essas possibilidades:

 1)    A Europa vive um momento confuso e o Brexit pode trazer desdobramentos complexos. Os Estados Unidos estão passando por um emocionante período eleitoral e o resultado pode criar situações semelhantes ao Brexit. Trilhões de euros e dólares, no momento aplicados a juros negativos ou muito baixos, de zero a 1%, de alguma forma tendem a procurar high yeld e acredito que algum fluxo de capital virá para os países emergentes, inclusive o Brasil. Caso o impeachment de Dilma se confirme no Senado, a expectativa é que o nosso país seja um forte candidato a receber uma boa parte deste capital.

 2)    O aumento do índice de confiança deve gerar melhoria no consumo e demanda por serviços. Principalmente no varejo, o impacto dos juros não é tão significativo nos crediários - que tradicionalmente já têm taxas muito altas, mas a confiança gera coragem no consumidor que está empregado e/ou detinha alguma poupança (mesmo estes não conseguiam ver nenhuma luz no fim do túnel).

 3)    Diferentemente do varejo, onde poderemos sentir uma melhora considerável e com relativa rapidez, o setor imobiliário poderá ser o último a voltar a crescer com força. O segmento de imóveis é diretamente ligado às taxas de juros oficiais, que só deverão cair aos razoáveis patamares dos 10% no final de 2017. Por outro lado o setor sempre atrai capital de investimentos asset para adquirir ativos ainda depreciados. Como o estoque está bastante grande, as incorporadoras poderão ter uma possível folga de liquidez na venda desses ativos.

Confiança é e será um ativo de grande valia para o novo governo, entretanto essa confiança não durará para sempre se não houver real percepção de mudança. É preciso que aconteçam demonstrações efetivas de reformas fiscal-orçamentárias tanto no Congresso como no Executivo, tão logo passe a votação do impeachment e se confirme o novo presidente do Brasil. Seguimos observando com esperanças.

Leia mais
Finanças, Investimentos, Juros
Dia-a-dia da taxa de juros negativo
2 de agosto de 2016 at 14:26 0

02_08_SS

A dificuldade das pessoas que não são do mercado em compreender o que significa taxa de juros negativa é real, uma vez que somos acostumados a juros exorbitantes e inflação de dois dígitos. As flutuações econômicas que vivemos não nos deu tempo de desenvolver as condições propícias para o sistema de juros negativos, uma realidade em diversos países da zona do euro e no Japão – que nos oferece um dos exemplos mais didáticos do funcionamento da chamada NIRP - taxa de juros negativa, sigla original em inglês.

O último censo no Japão mostrou que a taxa de natalidade diminuiu e o envelhecimento aumentou. Essas informações combinadas demonstram que o país tem dificuldade em aumentar a força de trabalho que paga os gastos públicos com previdência e saúde, além de não ter condições de sustentar as tentativas para reaquecimento da economia. No caso japonês, o Banco Central decidiu cobrar dos bancos comerciais os valores que excedam as reservas legais e os depósitos compulsórios. Teoricamente essa medida aumenta os empréstimos, a circulação de moeda e, consequentemente, a inflação.

O exemplo japonês atinge imediatamente o sistema bancário, mas ainda é necessário ver como isso atinge o correntista. A Suíça é um dos países que vem obtendo sucesso com a adoção dos juros negativos e lá os correntistas do banco BAS, especializado em investimentos sustentáveis e de cunho social, foram avisados que perderiam dinheiro ao deixar as economias na instituição. O que aconteceu no país após o estabelecimento dos juros negativos é que as pessoas começaram a diversificar a forma de guardar o dinheiro, inclusive alugando cofres em bancos a investimentos que tem retorno zero, tudo para não pagar taxas e serviços que compensem os bancos.

As situações vividas pelos moradores de países que utilizam o juro zero parecem surreais para os brasileiros. Desde taxas de apenas 1,1% em transações imobiliárias sem a necessidade de antecipar pagamentos, até receber dinheiro de volta por pagamentos efetuados em hipotecas, são muitos os exemplos. No momento a melhor opção tem sido os empreendimentos imobiliários, o que já chamou a atenção para a criação de uma bolha no setor.

Para o Brasil esta situação poderá ser benéfica pois são muitos trilhões que já estão nestas condições e com certeza parte deste capital poderá chegar até nós. Mesmo que seja uma pequena migalha serão bilhões que poderão desembarcar aqui. Atrás de high yeld, mas primeiro precisamos carimbar o passaporte que começa pela definição do impeachment. Vamos torcer para que o vento sopre na nossa direção.

Leia mais