X
Política

Impacto do grau de investimento na nossa vida

3 de setembro de 2015 1
Grau de investimento: Como ele pode mudar sua vida

Grau de investimento: Como ele pode mudar sua vida

Conhecem aquele ditado “cuidado para não apertar a porca demais porque pode espanar”? A realidade é que podemos ficar com cara de bobos se quisermos dar aquela última atarraxada na porca e ela espanar. Isso é exatamente o que está acontecendo dentro da nossa conjuntura política e que, de certa forma, tira a possibilidade de o Executivo dar uma mudança de rumo ao país, pois o pensamento está ainda ligado ao de quem vai se dar bem com um ou outro cenário político. E com a pluripartidária situação do congresso, fica cada vez mais difícil a situação política e econômica. Não está fácil visualizar um acordo e uma solução que possa melhorar o já complexo ambiente econômico, principalmente, com a perspectiva real de perda de Investment Grade. É dessa forma que se consolida um cenário de “perde-perde”, pois todo mundo perde.

Já vimos na história batalhas em que todos os exércitos saíram completamente destruídos, pois não houve vencedores e depois, para cada lado, somente restou lamber suas feridas. É isso que estamos acompanhando de um palanque em que os grandes pagadores da conta seremos nós!

A possível perda do grau de investimento nos remete a um cenário bem sombrio, pois a situação mundial já está bastante confusa pelo lado da Ásia, que já vê a sua locomotiva China diminuir o ritmo de crescimento e, com isso, agravando uma situação bem delicada, principalmente porque os mercados de lá são bastante alavancados por empréstimos.

Qual é o principal efeito na perda do selo de investimento? É a credibilidade econômica, a crença de que o país tem condições efetivas de sustentabilidade a longo prazo. Sendo visto, assim, como mais como um país especulativo e de curto prazo.

Ao mesmo tempo, no campo financeiro e real, nós deveremos sentir um refluxo de capitais por parte dos investidores e o aumento dos custos diretos na sustentabilidade da dívida interna, até porque a dívida relação PIB vem aumentando bastante e essa situação se agravaria mais ainda.

Outro ponto será o rebaixamento, quase que geral, dos corporates bonds de empresas brasileiras, deixando o acesso ao capital por estas empresas muito mais penoso e caro na sua rolagem de dívidas.

Enfim, será um grande retrocesso para o país, pois grande parte de investimentos diretos e indiretos da maioria dos investidores estrangeiros fica restrita a movimentações mais especulativas. O pior de tudo isso é a saída de capital dos ativos brasileiros, como Bolsa e títulos em geral, gerando maior pressão nos juros de atratividade e, consequentemente, mais restrição de capital para a indústria e corporações. Isso acontece mesmo internamente, pois os bonds – se pressionados para venda – farão as taxas se abrirem e, na sequência, empurrarão os ativos internos, como debêntures e outros, na mesma direção.

Levamos quase 30 anos para construir as condições necessárias para o Brasil conseguir o Grau de Investimento no mercado internacional e estamos a um passo de perdê-lo. Para que essa possibilidade não se torne uma triste realidade, precisamos passar mensagem aos nossos representantes políticos e executivos a real gravidade deste assunto, e salvar anos de trabalho e esforço de toda a sociedade.

O dólar caminha para R$ 4,00 e pode não parar por aí, com a perda do grau de investimento se materializando em algo real. A velocidade deste ajuste no câmbio desarruma toda a cadeia produtiva do país, pois até para gerarmos produtividade para exportação, máquinas e insumos em geral, necessitamos do mercado de importados.

Vamos manter o espírito altivo e, de alguma forma, concentrar esforços para que pensemos de maneira mais positiva, passando a ideia de que não perdemos esta batalha ainda, pois a perda não será somente de um partido ou de outro, será coletiva e todos seremos impactados de algum modo.

Fiz questão de escrever sobre este assunto, pois vejo que o cidadão comum está mais perdido do que cego em tiroteio: déficit primário, PIB, dívida interna, déficit orçamentário, a hipótese bem real da perda do grau de investimento e uma dezena de outros dados econométricos que fazem uma grande confusão na cabeça da população que não consegue avaliar muito bem o impacto desses dados no dia a dia.

Comentários

Comentários

Existem 1 comentários

  • […] empresas privadas – que passaram a ter problemas para rolagem de dívidas estrangeiras. Já disse anteriormente e repito: o trabalho de quase 30 anos construindo as bases de uma economia saudável foi por água […]

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *