X

Tecnologia

Investimentos, Outros assuntos, Tecnologia
Bitcoin: futuro da economia ou moda passageira?
1 de junho de 2017 at 10:25 0
f

O Bitcoin está na moda.

Depois do Japão anunciar mudança no regulamento para aceitar oficialmente o bitcoin (BTC) como método de pagamento, a moeda atingiu preços que deixaram surpresos até mesmo os investidores mais entusiasmados. A criptomoeda é apenas mais uma das várias que existem e foi apresentada pela primeira vez em 2008 como um sistema de código aberto, baseada em uma rede peer-to-peer, autorregulada e criada para ser livre, sem interferência de governos e outros agentes bancários.

Dentre as principais maneiras de se conseguir os bitcoins está a mineração, processo de validação das transações pela resolução de problemas criptográficos, gerando blocos que são posteriormente inseridos na blockchain - banco de dados que armazena as informações de saldo e as transações efetuadas utilizando a moeda digital. Essa é a primeira vez que se tem conhecimento que os dados contábeis de transações monetárias são públicos e descentralizados.

Um dos grandes problemas que o mercado vê em moedas digitais é que elas não tem lastro. As moedas dos países possuem o lastro em dólar, que por sua vez é lastreado em ouro. Com o BTC o lastro é a confiança que o sistema seja autossustentável e isso o torna bastante volátil para se investir. Atualmente o preço está em alta e já ultrapassa os US$ 2.700, ambiente perfeito para a criação de uma bolha.

Até há poucas semanas a moeda não possuía nenhum valor inerente, sendo utilizado basicamente em trocas na internet, muitas delas em mercados ilegais de tráfico, drogas e outros crimes. O reconhecimento formal do Japão de que a moeda é um meio de pagamento válido no país fez com que o valor de mercado do Bitcoin aumentasse cerca de US$ 1 bi, e parte disso é porque os japoneses, e por consequência o restante do mundo, passam a reconhecer seu valor fora das telas do computador.

A Ásia tem sido protagonista na transição do BTC para uma moeda “real”. Além do Japão, a Coréia do Sul também admite que as criptomoedas vieram para ficar, tanto que o Bank of Korea (BOK) divulgou recentemente um documento em que diz acreditar em um sistema que moedas fiduciárias e digitais possam coexistir, e ainda expandiu o modelo para um regime triplo, em que moedas digitais também possam ser emitidas por bancos centrais e não apenas por particulares.

Acredito, entretanto, que a China tem o papel de destaque neste cenário. O país foi capaz de criar toda uma cadeia produtiva dentro deste mercado, que vai desde o maior pool de mineradores – responsáveis por quase metade de todos os BTC emitidos diariamente no mundo – à produção de equipamentos específicos para a realização dessa tarefa. A movimentação alertou o governo para a quantidade de dinheiro envolvido e agora as três maiores bolsas de bitcoin da China vão cobrar 0,2% de cada operação.

É certo que a preponderância asiática no mercado de BTC pode afetar uma de suas características principais, que é a descentralização. Alemanha, Rússia e Estados Unidos já o reconhecem como moeda digital e estudam medidas para regulamentar sua utilização, porém ainda tem um longo caminho a trilhar.

A grande pergunta é se os ideais revolucionários de autonomia, independência e descentralização sobrevivem após o último bitcoin ter sido minerado.

Leia mais
Tecnologia
Televisão Pontocom
14 de novembro de 2016 at 17:31 0
O desafio de criar um modelo de negócios sustentável e inovador é a marca da era da internet. Gerar valor a partir de uma ideia é tarefa ousada e com resultado incerto, por isso a decisão de empreender e investir não pode ser feita levianamente. Analisar os cenários é fundamental para não ter prejuízos como os que aconteceram no estouro da bolha da internet, no início dos anos 2000. Google, Yahoo!, Aol e outras sobreviveram à queda da Nasdaq e mostraram a capacidade de se reinventar é tão importante quanto um forte padrão de negócios, que seja lucrativo e possa ser replicado. O curioso é ver que quase 20 anos depois estamos diante de uma nova revolução. Todos sabemos que a chamada web 2.0 modificou a maneira como a comunicação com as massas é feita, no entanto o modelo mais tradicional, a televisão, agora quer conversar com as “pontocom”. Já era de se esperar que isso viesse a acontecer um dia. O acesso a tablets e smartphones aumentou muito nos últimos anos. Estudo encomendado pela LG Eletronics estima que 32% dos aparelhos de televisão no Brasil são smart e 91% deles estão conectados à internet. Se adicionarmos os dispositivos Chromecast, Apple TV e Nexus Player, acredito que esse número pode alcançar quase metade dos televisores no país. Toda essa facilidade muda a relação da televisão com os telespectadores. Segundo o Youtube, jovens entre 13 e 24 anos assistem cerca de 3 horas semanais a mais de vídeos na plataforma, em oposição à televisão tradicional. Além disso, sentem-se melhor ao escolher o que querem assistir. A criação de conteúdo especificamente para consumo “on demand” é uma aposta interessante do ponto de vista dos negócios. Já falei sobre como a utilização de games pode transformar o marketing. Acredito que da mesma forma a utilização de várias plataformas pode mostrar um conteúdo mais rico e dar novas possibilidades tanto a investidores de tecnologia quanto a anunciantes. Há muitos anos as redes de televisão brasileiras vêm ensaiando entrar no mercado web e apesar de não existir uma fórmula perfeita, saber conversar com a audiência é a parte mais importante do processo. No Canadá, a Rogers Communications Inc. decidiu concorrer com a Netflix e criou a Shomi. O serviço de streaming ficou no ar por menos de dois anos e deu prejuízos de aproximadamente R$ 250 mi e os executivos das empresas afirmaram que este tipo de negócio é mais difícil de gerenciar do que parece. Nas redes sociais a audiência da Shomi lamentou a decisão e deu várias sugestões de como o streaming poderia melhorar. O canal Viva foi uma tentativa da Rede Globo de valorizar seu catálogo e combater a pirataria de seu acervo e deu tão certo que chegou a liderar a audiência da TV paga com a reprise de novelas em 2015. A audiência da Rede Globo é tradicionalmente receptiva, porém a inauguração dos serviços GloboPlay e Globosat Play foi no sentido de acompanhar a tendência da migração do consumo ativo de conteúdo pelas novas gerações. Com uma conexão simples de internet em um computador ou tablet, é possível a todo o acervo da maior emissora de televisão do país. A Globo vai virar um Netflix brasileiro? Não, mas certamente ela se posicionou para diminuir a distância entre ela e o gigante do streaming, especialmente no que diz respeito aos valores cobrados dos assinantes: R$ 14,20 por mês ou cadastro nas TVs por assinaturas parceiras. Nenhum povo é igual ao outro e essas diferenças culturais refletem no mercado. A migração do analógico para o digital pode ser feita, mas deve ser planejada com calma para dar resultado. O episódio canadense ensina que serviços como esse devem estar bem adaptados às novas comunicações, que é de duas vias entre a empresa e o telespectador. E o brasileiro que não basta mais uma boa ideia e investimento, é preciso falar o que o público quer ouvir, de maneira criativa. O pioneirismo consiste não apenas em chegar na frente, mas estipular um novo padrão. Será que conseguiremos imaginar onde o futuro pode nos levar?
Leia mais
Investimentos, Tecnologia
Crowdfunding: o financiamento coletivo no Brasil
29 de agosto de 2016 at 19:14 0
29_08_SS
A palavra talvez seja novidade para alguns, mas crowdfunding (ou financiamento coletivo) não é exatamente uma invenção moderna. Quem nunca participou da famosa “vaquinha” para financiar um presente para um amigo ou ajudar uma instituição de caridade. A diferença do crowdfunding talvez seja a proporção da “vaquinha”, uma vez que a internet é um meio muito mais amplo de repercutir a ideia.
O financiamento coletivo vem mudando a relação que as pessoas têm com iniciativas culturais no Brasil. Sim, nós temos a Lei Rouanet, que conta com a colaboração de empresas e pessoas físicas para o patrocínio dos projetos em troca de benefícios fiscais, mas projetos independentes de baixo e médio orçamentos não conseguem o auxílio necessário pois não dão toda a exposição que a empresa deseja. Então, o crowdfunding nesse aspecto é um importante mecanismo de diversificar a nossa produção cultural, oferecendo meios para que várias iniciativas possam ser conhecidas pelo grande público.
Os exemplos de quem pede um financiamento no Brasil são muitos, desde atletas, músicos, ONG’s de proteção aos animais, ativistas sociais e educadores. Até o Vasco foi beneficiado, quando um de seus torcedores iniciou uma campanha para abater as dívidas do clube com a Receita Federal.
Startups, especialmente as de tecnologia, são também grandes beneficiadas por essa ferramenta e desde 2012 os Estados Unidos contam com legislação específica para o chamado equity crowdfunding. A Jumpstar Our Business Startups Act, ou JOBS Act, sofre severas críticas pois não cumpre a proposta de facilitar o acesso das MPEs ao mercado e aponta o Brasil como exemplo a ser seguido nessa questão. Nossa legislação foi editada antes do JOBS Act pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM e é bastante inovadora no sentido de que não limita o aporte individual de capital, um ponto muito importante para o relacionamento entre as startups e os investidores anjo. A limitação ocorre nos valores anuais de financiamento, que não pode ultrapassar o limite anual de R$ 2.4 milhões.
Basicamente o investimento em startups utiliza o modelo de recompensas, doações, equity e crowddebt. Este último, que consiste em tomar dinheiro emprestado a taxas bastante interessantes para ambos os lados, sofre severas restrições por parte do Banco Central do Brasil, que dificulta o empréstimo entre pessoas físicas. O equity se mostra uma alternativa bastante eficaz, mas que ainda carece de algumas seguranças para o investidor. O medo de fraude é sempre presente, entretanto a CVM demonstra interesse em fortalecer o setor e vem fazendo um trabalho muito cuidadoso.
Contar com a colaboração de investidores para abrir a própria empresa é realidade no mundo todo. O Pebble Watch se tornou sucesso de vendas e arrecadação de financiamento além de mostrar que as pessoas estão interessadas em investir em gadgets que facilitem a própria vida e ouçam o usuário. O jogo Star Citizen, maior fenômeno do que o crowdfunding pode fazer, deixou claro que não devemos ignorar que as memórias afetivas também são importantes nesse tipo de projeto e arrecadou  quase US$ 50 milhões ao final da campanha onde pedia US$ 500 mi para manter o desenvolvimento de um jogo que seria descontinuado.
Ainda temos muito que avançar no crowdfunding, sob vários aspectos, mas o principal talvez seja ter maturidade no mercado. O objetivo principal do financiamento coletivo, aliás, de todo projeto coletivo, não é financiar desejos e caprichos de um pequeno grupo, mas beneficiar a sociedade como um todo, seja colaborando com a cultura nacional, financiando um jogo ou mesmo fazendo hambúrguer.
Estamos no caminho, só precisamos de atenção e foco para não nos desviarmos dele.
 
Leia mais
Política, Tecnologia
I’m watching you e milhões de outros eleitores também
25 de abril de 2016 at 11:02 0
política na internet

A primeira parte do processo de impeachment foi marcada por uma grande demonstração de mudança de conduta política. Essa metamorfose comportamental ficou extremamente clara no posicionamento de diversos deputados que, ao se posicionarem pelo impedimento ou não da presidente, deixaram claro que seu voto não era pelo que acreditam, mas pela necessidade de atender aos apelos das ruas e do eleitorado que, em sua grande maioria, apoia o processo de impeachment da presidente.

A pressão da sociedade em torno de um fato político não é notícia, mas o fato destes apelos terem sido ouvidos é uma novidade. O grande agente dessa mudança foi a tecnologia, que proporcionou ao povo as redes de relacionamentos. As plataformas sociais impulsionaram a disseminação de informação, o que deu aos movimentos como MBL, Vem para Rua e inúmeros outros uma importância jamais vista pelos políticos. Antes acostumados a ver o eleitor à distância, eles perceberam a vontade e a participação do povo de forma objetiva e direta.

Os dedos ágeis dispararam milhares de e-mail, tweets, posts de Facebook e mensagens de WhatsApp. Esses terabytes de cobrança massacraram e colocaram um holofote sobre os deputados, inclusive alguns que, em algum momento, chegaram a pensar que, assim como no passado, talvez houvesse espaço para negociação de benefícios. Pela primeira vez no Brasil, as redes sociais falaram mais alto que os interesses próprios, mostrando poder de organização na convocação espontânea para as manifestações como também para pressionar a classe política pelos direitos e vontade da maioria.

O megafone digital do povo surpreendeu até mesmo o Partido dos Trabalhadores, aquele com melhor compreensão sobre mobilização social e que, em seus 36 anos de vida, aprendeu como ninguém a arte do marketing ideológico. Mas nem toda essa experiência foi suficiente, e os profissionais ficaram muito atrás dos movimentos espontâneos. Comandados por meninos com discurso de homens, esses movimentos são movidos pela vontade de mudança, e deixaram claro que a política vai mudar pela governança da informação.

Antes isolada em Brasília, a classe política de agora em diante é monitorada a todo minuto e suas atitudes políticas e pessoais são avaliadas como decisões de estado. A participação proporcionada pelas redes sociais colocará Facebook, WhatsApp e as outras redes, daqui para frente, em pé de igualdade com as grandes mídias na balança da importância.

O distanciamento ficará cada vez mais difícil de ser atingido e os partidos e políticos que não mantiverem coerência partidária e de governança política de suas propostas e projetos terão problema. O que antes levava anos para vir a público hoje leva minutos. A participação proporcionada pela tecnologia trouxe um contingente gigante ao fórum de debates ideológicos, partidários e sociais.

O governo já admitiu que o processo de impedimento iniciado pela câmara dificilmente será parado no Senado, e a adesão constante de novos Senadores pela aceitação do impeachment deixa claro que o processo construído pelas ruas continua em funcionamento. Não tenho dúvida alguma de que as redes sociais sejam a razão desse posicionamento do Senado. Nossos parlamentares não devem esquecer do conceito “I'm watching you", e nem dos milhares e-mails e WhatsApps recebidos das duas partes do processo.

Espero que o engajamento social pelo impeachment abra uma nova janela de esperança, com a melhora substancial da qualidade de nossa classe política, que deverá se ater mais ao compromisso com a verdade e com a sociedade, e não somente à ideologia partidária. Brasil deve ser governado para o cidadão e não para os partidos, como vimos até hoje. Se essa pressão popular continuar, há sim um veio de esperança.

Leia mais
Bolsa, Investimentos, Tecnologia
Novidade: crowdfunding para projetos imobiliários
7 de março de 2016 at 14:51 0
crowdfunding

Vejam que interessante a matéria da BBC que li hoje sobre as novas oportunidades que surgem com o avanço da tecnologia. O Synapse Development Group (SDG) decidiu investir em um novo projeto de hotel – uma nova filial do high tech Yotel em San Francisco (EUA) – através de um site de financiamento coletivo. Com a promessa de descontos em diárias e outras diversões, mais retorno anual de 18% a 20%, foram atraídos investidores do mundo inteiro, que na primeira etapa investiram em média US$ 50 mil.

De acordo com o diretor executivo do SDG, “Hotéis frequentemente são mais rentáveis que outros ativos no mercado de imóveis. Sendo assim, sob uma perspectiva de investimento, atraem bastante a atenção especialmente em mercados maiores.”.

Uma empresa especializada em financiamentos coletivos, a Massolution, estima que os investimentos para negócios imobiliários através do crowdfunding movimentaram US$ 1 bilhão em 2014 e evoluíram em 2015 para cerca de US$ 2,5 bilhões.

Vários lugares do mundo têm divulgado seus projetos imobiliários, especialmente para construção de hotéis, em sites de financiamento coletivo. Tudo começou nos Estados Unidos e expandiu para outras regiões como Emirados Árabes e Tailândia, por exemplo, variando as regras, de acordo com cada local, sobre quem pode investir.

Normalmente, a oferta é a venda de ações, podendo o investidor se tornar dono de uma pequena parte do negócio ou da companhia.

Com US$ 10 mil, em geral, você já pode fazer um investimento mínimo ou diversificar as compras dentro de vários projetos.

Mas a prudência, como em todo investimento, deve ser bem observada. Há riscos, é claro. Como no financiamento coletivo praticamente não se interage com o dono do negócio, é imprescindível a cautela de verificar como outros projetos foram geridos. A ingerência do negócio costuma ser a principal causa de perda.

Porém, ainda de acordo com a matéria, o sucesso tem sido garantido em 80% dos casos. Bacana, não acham?

Leia a matéria completa com mais detalhes e informações, que eu quis compartilhar hoje com meus amigos e leitores.

Infelizmente no Brasil ainda não temos essa modalidade de investimento imobiliário, porém estamos num momento em que podemos aproveitar o segmento. A MP 694, que tributava os lucros sobre os investimentos imobiliários, espantou investidores e derrubou preços das cotas. Muita gente saiu perdendo, mas a proposta foi retirada neste ano e tivemos uma pequena melhora no mercado. Por conta da crise e da dificuldade em repassar a inflação para os preços, ainda é um investimento arriscado. Além disso, a taxa de vacância está muito alta. Porém, para alguns especialistas o risco esse ano é menor do que no ano passado. Precisamos sempre observar a diversificação e a gestão ativa dos negócios, para correr menos riscos.

Com a maturidade do mercado de crowdfunding no Brasil, oportunidades como esta aparecerão e poderiam ajudar no crescimento do país, pois o turismo é uma ótima maneira de atração de capital. Acompanhar a tecnologia da informação e diversificar modalidades é abrir muitas novas oportunidades; e a inovação no mercado financeiro é fundamental para o sucesso de muitos.

Leia mais
Tecnologia
Operadoras de TV a cabo ameaçam processar Netflix
26 de janeiro de 2016 at 14:04 0
netflix tv por assinatura

Li uma notícia dizendo que as operadoras de TV por assinatura perderam mais de 1 milhão de clientes em 2014 e culpam a Netflix pela sua derrocada. Por isso, querem entrar na justiça contra o serviço de entretenimento online, prejudicando também os consumidores. Além de exigirem regras e custos para a Netflix, ainda ameaçam cobrar do consumidor usuário de banda larga uma taxa extra, quando forem usar o streaming. Ora, isso não vai contra a neutralidade da rede, aprovada no Marco Civil da Internet?

Ora, o brasileiro ainda vai se acostumar com o mundo moderno da tecnologia. O mercado tecnológico, como venho falando em alguns artigos anteriores, está se voltando à economia digital. As transformações que facilitam a vida do usuário, são a tendência do presente e do futuro.

Concordo que ainda seja estranho às empresas de serviços tradicionais acompanharem a grande concorrência que o mercado da tecnologia proporciona. Ora, mas para que serve a concorrência senão beneficiar o consumidor? Cabe a nós o direito de escolher o que queremos ter e o que podemos pagar. No Brasil, com a inflação alta e o poder de compra afetado, a Netflix é uma opção barata e de qualidade para o lazer das famílias.

Quando saiu a divulgação do estudo do CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), de que o Uber não concorre com outros aplicativos de táxis, vimos a sensatez na hora de avaliar o que é melhor para o cidadão. O Cade é uma autarquia vinculada ao Ministério da Justiça e foi criado com a missão de zelar, fomentar e disseminar a cultura da livre concorrência no Brasil.

Veja: enquanto as operadoras cobram pacotes que variam entre R$ 70 e R$ 300, a Netflix oferece filmes, séries e documentários por mensalidades entre R$ 19,90 e R$ 29,90. Por causa dessa grande ideia e ótimo serviço, as ações da Netflix nos EUA tiveram uma valorização de 140% no ano passado.

Nós precisamos ficar atentos e mostrar às autoridades que queremos o nosso direito de escolha, pois sabemos o que mais nos beneficia. Estamos torcendo pela Netflix e por nós, para que não haja distorção nos preços, nos serviços e na visão de mercado.

Leia mais
Finanças, Investimentos, Tecnologia
O porque do sucesso da nova “economia da tecnologia”. 
13 de janeiro de 2016 at 13:08 0

economia empresas de teconologia

Sem dúvida nenhuma nos dias de hoje já não questionamos a economia virtual. Em determinado momento em que houve o boom do nascimento destas empresas, houve um certo exagero de tudo, como por exemplo as relações de preços justos. E até após ao estouro da bolha deste segmento nas bolsas, as empresas virtuais foram se ajustando ao contexto da economia real e hoje acredito que o sonho virou realidade.

Foram grandes as transformações, empresas foram criadas em todos setores, a grande maioria pelo conceito de "uma grande ideia" e depois do passar dos anos, após a criação da Internet, foi-se percebendo que com a disseminação da informação a grande ideia passou a valer pouco.

Com o passar do tempo, a grande ideia foi de 80% a 20% da performance. Nos dias de hoje a ideia vale 20% e a execução 80%. Isto são os dias de hoje. Assim, se você tiver alguma grande ideia, tente ver todo o processo de execução antes, pois a Internet vai sempre encontrar alguém com ideias semelhantes. Hoje, com raras exceções, esse contexto é quebrado. A Google, Apple, Amazon, Uber, Facebook, Twitter, Linkedin, Instagram, WhatsApp, Waze e outros inúmeros aplicativos do mesmo segmento, por que se tornaram as maiores empresas do mundo, desbancando todas corporações tradicionais? Qual o segredo do sucesso de muitas delas? Será que foi a ideia?

A resposta é não, pois basta ver a história de cada uma para entender que quase todas essas empresas fora criadas não somente pela ideia, como no caso da Google, pois já existiam inúmeros sites de busca que foram criados na mesma época, mas a Google conseguiu se diferenciar pela forma fácil de lidar com a busca de informações. Lembram, nós tínhamos o Cadê, Yahoo, Altavista e outros. A Google encontrou a forma de consolidar a busca da informação da melhor forma já feita até os dias de hoje.

Essas empresas estão ficando tão grandes que dificilmente alguma outra do gênero terá a capacidade de investimento para competir, mas aí que entram os aplicativos, como foi o caso do Whatsapp que começou a incomodar o Facebook, que usou o seu tamanho para adquirir o Whatsapp. O Whatsapp encontrou uma forma muito eficiente de se comunicar e não foi uma nova ideia, lembrando que o BlackBerry veio na frente.

Na realidade, acho que o sucesso deles está na sua praticidade de contextualizar e facilitar a nossa vida. Antes de mais nada, eles são facilitadores de vida. Parece brincadeira, mas se analisarmos todos que deram muito certo, veremos que são sites ou aplicativos muito simples e que acabaram vindo ao encontro da demanda de uso onde quanto mais simples e fácil de usar, maior o sucesso e maior o seu valor.

Alguns hábitos da vida cotidiana estão sendo mudados pelo uso destes aplicativos. O UBER e o Waze, por exemplo, estão mudando o sistema de transporte qualificado nos grandes centros.

A regra do sucesso destas empresas é simples: tudo que facilitar a nossa vida e for de simples execução, tende a ter sucesso. Eis a nossa nova economia, a "Economia da Tecnologia", com preços competitivos e evolução dos sistemas tradicionais.

Leia mais
Política, Tecnologia
Decisão do CADE sobre Uber é vitória do consumidor
15 de dezembro de 2015 at 14:48 1

post_blogdosaulA divulgação de mais um estudo do Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE, de que o Uber não concorre com outros aplicativos de táxis mostra uma tendência de ser favorável à permanência do aplicativo no país. Esta não é a primeira indicação de que o Conselho é favorável neste sentido; em outubro o próprio Cade fez um levantamento apontando que é positivo para o consumidor que haja esta concorrência.

O Cade é uma autarquia vinculada ao Ministério da Justiça e foi criado com a missão de zelar, fomentar e disseminar a cultura da livre concorrência no Brasil. De maneira prática, ele garante que os direitos do consumidor sejam respeitados, atacando o abuso do poder econômico, atuando de maneira eventual sobre situações concretas. Ser reativo, nesse caso, permite uma visão mais ampla sobre a conduta das partes envolvidas e sobre a percepção do consumidor sobre a situação. Ele vem analisando, especialmente, o efeito anticompetitivo dos agentes de mercado, o que gera distorções nos preços e nos serviços.

Sobre o Uber em si, já falei anteriormente: sou favorável não apenas ao serviço, mas ao que ele representa para o mercado. Quando os cidadãos se aliam por um objetivo, no caso a busca por um melhor serviço de transporte, é praticamente impossível o retrocesso. Em um estudo anterior, o Cade afirmou que o Uber não concorre com o sistema de táxis que temos hoje em razão de ser um “sistema superior”.

Nesse último estudo o comparativo foi feito com outros aplicativos semelhantes, mas utilizados pelo sistema de táxis atual, o 99Taxis e o Easy Taxi. Ao focar o estudo nos “concorrentes” do Uber – entre parênteses pois acredito que a concorrência, nesse caso, é mais pela facilidade em se conectar com a empresa do que com o serviço em si – ficou demonstrado ainda uma outra faceta que merece ser levada em consideração pelos opositores do Uber: a capacidade de se reciclar e acompanhar a mudança que a tecnologia e as novas gerações oferecem é essencial para a sobrevivência em um mercado cada vez mais exigente e competitivo. A facilidade no contato, gentileza e uma garrafa d'água são atrativos bem melhores do que a força bruta.

Leia mais
Política, Tecnologia
House of Cards e a realidade política brasileira
13 de novembro de 2015 at 16:58 0

HOC política

Com a crise política instalada e com a predominância fiscal como tema principal, a economia fica a reboque dos principais eventos políticos na guerra dos poderes. Ficou muito claro que as apostas para o mercado estão penduradas nos dois maiores protagonistas do poder, de um lado o presidente do Congresso e do outro lado a figura da Presidente.

Difícil pensar em algum tipo de acordo que agora possa ser costurado para que um dos dois permaneça no cenário das decisões. Com o conselho de ética pressionando o presidente da Câmara, o apoio estaria condicionado à abertura do impeachment - que seria a sustentação de Eduardo Cunha, mas como este precisa de tempo para alongar o processo de indefinição, vai trancando a pauta como pode nas decisões que impactam a economia ligadas às questões fiscais.

Assim, uma possível barganha com poder executivo em troca de uma saída honrosa, deixou cada vez mais difícil administrar a situação. Tanto, que o PSDB já se declarou a favor do expurgo do deputado presidente da casa, pois ficou à espera de uma definição do próprio Eduardo Cunha (que ficou vulnerável por ter alongado a decisão tentando ganhar tempo e uma brecha para negociar a sua situação), quanto a abertura do impeachment. Também pesou a opinião pública no que se refere a um posicionamento do PSDB como oposição, pois o tempo conspira contra todos.

Voltando ao mercado, o que temos de cenário provável? Os partidos de apoio ao Presidente da Câmara ficarão cada vez mais desconfortáveis caso não haja uma abertura imediata do processo de impeachment e tenderão a abandonar o Eduardo à própria sorte, como foi o caso do PSDB vendo que só quem ganha com o prolongamento da crise dos poderes são os próprios protagonistas.

Se de um lado o tempo esvazia o possível processo de impeachment, ao mesmo tempo a crise econômica se aprofunda, devido ao impasse das decisões sobre as pautas fiscais na câmara. E Eduardo Cunha tenta prolongar a indefinição porque sabe que virão outros escândalos da Lava Jato pela frente.

Um cenário alternativo seria a troca do Ministro Levy pelo ex Ministro Meirelles, que está sendo chamado de “Plano Lula”. Para assumir, Meirelles exige chefiar toda uma equipe econômica escolhida por ele. O que se comenta nos bastidores é que Lula teria o apoio de alguns setores econômicos e que, conduzindo essa troca, os mercados poderiam regir bem. As críticas a Levy se dão, principalmente, pela insistência na implementação da CPMF e aumento de impostos, sem atacar com consistência a redução da máquina do Estado.

Não acredito que essa mudança seja suficiente para a economia rodar novamente mas, sem dúvida, a percepção de uma mudança de equipe poderá dar a esperança de que seja melhor do que a atual. O Ministro Levy atua como Don Quixote e põe a cara no pedido dos ajustes fiscais através de aumento de impostos, como a CPMF. Os partidos PT e PMDB se preservam neste assunto, basta ver que o PMDB apresentou um programa econômico sem falar em aumento de impostos, deixando a entender claramente sua posição contrária. E deixam o desgaste para “Geni” (citando a música).

A grande vantagem atualmente é que não existe diagnóstico difícil para resolver o problema econômico e, por isso, a predominância fiscal já diz tudo, precisa acontecer tudo que ouvimos falar diariamente nos reports econômicos: cortes nas contas públicas, redução da máquina pública, reforma da Previdência e outros bla bla bla.

Mas o que prevalecerá no momento é a definição política, da medida de força entre os poderes da Câmara e da Presidência. Ou é um ou é outro, os dois não cabem juntos.

É House of Cards mesmo! Quem não viu o seriado da Netflix, deveria ver. A semelhança da ficção com a nossa atualidade política é imensa.

Leia mais
Investimentos, Tecnologia
Mostra Internacional de Cinema é importante para economia
23 de outubro de 2015 at 17:14 0

mostra de cinema

Ontem começou em São Paulo a 39ª Mostra Internacional de Cinema, que vai até o dia 4 de novembro com uma programação incrível. De acordo com o site oficial da Mostra, serão exibidos 312 filmes de 62 países em 22 endereços, entre cinemas, espaços culturais e museus espalhados pela capital paulista, incluindo exibições gratuitas e ao ar livre.

A Mostra já está na 39ª edição e recebe fomento do Estado. Embora muitas pessoas protestem contra isso, o fato é que o evento ajuda bastante não só a promoção da cultura e da arte, como o turismo e a economia da cidade. É um evento importantíssimo!

Num momento de crise pelo qual o Brasil está atravessando, eventos que trazem a movimentação de moeda estrangeira para nosso país devem ser apoiados. Além disso, trazem o olhar dos governos para ajudar na promoção dos nossos próprios produtos no segmento do cinema e da arte em geral.

O Brasil é um país muito rico em produção de arte, mas pouco valorizado. Proporcionalmente, o número de artistas que recebem apoio governamental é pequeno. Acredito muito no nosso potencial turístico através da arte e do entretenimento.

Um evento como esse beneficia todos os tipos de profissionais, desde os que trabalham diretamente nele (centenas de empregos), como os que se envolvem indiretamente: hotelaria, transporte, alimentação, câmbio e serviços em geral.

Parabéns aos criadores e organizadores da Mostra Internacional de Cinema que, apesar de não ser o foco principal, trazem milhares de turistas e divisas para o nosso país. Os brasileiros e empresas de todos segmentos agradecem.

Leia mais