X
Bolsa

A liderança de Saul Sabbá na criação da SOMA

20 de maio de 2015 0

stock-marketNa década de 90, a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro, que na época ainda negociava ações, pretendia ter um mercado de balcão organizado e esboçou o projeto de criação da Soma (Sociedade Operadora de Mercado de Ativos).

Foi então que diretores da Bolsa do Rio procuraram Sabbá, que conhecia bem a modalidade de mercado de balcão. “Falei que o projeto era muito bonito, mas que não iria funcionar.”

Havia um detalhe que o projeto não contemplava: 90% das empresas que eram negociadas no mercado de balcão provavelmente não iriam querer ser listadas na Soma. “Não tinham interesse de ir para um mercado organizado porque, para elas, era melhor que seus papeis ficassem depreciados.”, diz Sabbá.

Dessa forma, se a empresa fosse bem-sucedida, os próprios controladores poderiam recomprar suas ações por preços mais baixos.

Para resolver esse problema, Sabbá levou uma ideia à Bolsa: criar a opção de os investidores listarem as empresas no mercado. A CVM ponderou que deveria haver um responsável pelas operações e sugeriu a adoção dos Market Makers, operadores do mercado de balcão que registrariam, eles próprios, os papéis da empresa e lhes dariam liquidez sempre que um investidor quisesse comprar ou vender alguma ação. “Sem dúvida, eles estariam fazendo um benefício tanto para o investidor quando para a empresa, que ganharia liquidez”, explica Sabbá.

Ele argumentava com a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) que a Soma prestaria um serviço para os milhares de acionistas de empresas de telefonia que não eram tradicionais investidores do mercado de ações e que acabaram por deter esses papéis porque haviam comprado linhas telefônicas. “Na medida em que houver um mercado para vender papeis como os da Teleceará, Teleacre ou Telemaranhão, cria-se uma oportunidade para esses investidores”, disse Sabbá ao então presidente da CVM, Francisco da Costa e Silva.

Como não poderia esperar que os governos do Acre e do Ceará assumissem os custos da abertura de capital dessas empresas, foram criados os Market Makers.  “Assim o investidor teria a opção de vender seus papeis em um mercado em que o preço era transparente e, não mais, para os chamados “zangões’”.

Zangões eram profissionais que costumavam garimpar papeis que não tinham um mercado formado e tiravam vantagem de sua falta de liquidez e transparência, oferecendo por eles valores mais baixos do que realmente valiam.

Costa e Silva achou justa e coerente a ideia de Saul Sabbá e ela emplacou. No entanto, mesmo entre os traders havia resistência. Eles argumentavam que organizar o mercado de balcão seria ruim, porque haveria mais transparência e outros investidores também enxergariam o potencial de ganhos da empresa, o que tornaria sua vida mais difícil.

Saul Sabbá refletiu que, se por um lado esses operadores do mercado de balcão perderiam parte dos ganhos, haveria ganho em volume e, sendo especialistas nesse mercado, estariam à frente de outros traders. “Pensei que todos esses ativos, papeis bons, que estavam baratos por falta de liquidez, tenderiam a ter uma demanda maior quando fossem para o mercado regulamentado, o que possivelmente se refletiria em melhores preços”, conta Saul Sabbá.

De fato, quando o mercado de balcão foi então organizado, esses operadores viram as ações se valorizarem e não tiveram dúvidas sobre a abertura dos mercados, conseguindo melhorar seus resultados.

Confira também vídeo no qual Saul Sabbá fala sobre as tendências de mercado para 2015

Leia também:

Um passeio pela história de Saul Dutra Sabbá 

Saul Sabbá relembra atuação com fundos incentivados

Saul Sabbá – um visionário do mercado de ações 

Saul Sabbá e os papéis de telefonia nos anos 80 

A experiência de trader de Saul Dutra Sabbá 

Acompanhe também as redes sociais do Saul Sabbá

Facebook Saul Sabbá

Twitter Saul Sabbá

Saul Sabbá explica que investir no CDB Renda Mensal é seguro e vantajoso. Saiba mais.

Comentários

Comentários

Existem 0 comentários

Deixe uma resposta